rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Palestinos celebram a Nakba sob violências e forte repressão de Israel

Nakba significa “catástrofe” ou “desastre” em árabe. É o termo utilizado pelos palestinos para a expulsão de suas terras no processo que levou à criação do Estado de Israel em 1948. Neste ano, a data é marcada por manifestações pelo direito de retorno dos refugiados e fortes violências nos protestos contra a transferência da embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém.

 

Danielle Ferreira, correspondente da RFI em Amã

Os palestinos celebram a “Nakba” em 15 de maio, que foi o dia seguinte à declaração de independência de Israel em 1948. Cerca de 750 mil pessoas foram deslocadas e mais de 400 vilas árabes foram destruídas.

Há 70 anos, o direito de retorno é uma das questões mais complexas nos processos de paz entre palestinos e israelenses. Apesar de ser assegurado pela lei internacional, ele segue sem aplicação.

Na Faixa de Gaza, a Grande Marcha do Retorno vem encontrando forte reação militar israelense. Apenas na segunda-feira (14), ao menos 58 palestinos, incluindo 8 crianças, foram mortos, segundo autoridades palestinas. Mais de 2.700 pessoas ficaram feridas.

Refugiados após 70 anos

Em 1948, muitos palestinos achavam que poderiam voltar a suas terras após o fim da guerra. Foi o que ocorreu com a família de Soraya Abdel Hadi Mustafah, que tinha cerca de 10 anos na época do conflito. Ela lembra com nostalgia da vila de Deir al-Dubban, na área de Hebron. “Tínhamos uma vida boa, muitos tipos de frutas, plantávamos trigo e pegávamos água dos poços”. Quando deixaram a vila em 1948, pensaram que poderiam retornar após alguns dias. No entanto, isso nunca ocorreu.

Assim como a família de Soraya, milhares de palestinos foram deslocados para o que restou da Palestina histórica, que hoje é a Cisjordânia e Faixa de Gaza. E também foram recebidos por países vizinhos, como Jordânia, Líbano e Síria. Com o passar dos anos, a estadia nos campos de refugiados foi ganhando caráter permanente.

Em 1967, a Guerra dos Seis Dias levou a um novo deslocamento de milhares de pessoas e à criação de novos campos de refugiados. Nesse conflito, Israel dominou os territórios palestinos da Faixa de Gaza e a Cisjordânia. Atualmente, Gaza segue sob bloqueio e a Cisjordânia vive em ocupação militar.

Em 1967, a família de Soraya foi deslocada e perdeu o que tinha mais uma vez. Desde então, eles moram no campo de Baqa’a, o maior da Jordânia. Nesse contexto, a memória da vida antes do exílio é considerada uma resistência pelos palestinos.

O desejo de retorno é muito forte e muitas pessoas se negam a reconhecer o campo de refugiados como o seu lar. Waleed Al-Sharif, que cresceu em Baqa’a, diz que “a vida continua, mas herdamos a crença de que a Palestina é nossa terra natal e que devemos voltar, enquanto a vida continua”. Ele afirmou também que “mesmo que passem 100 anos, você não pode esquecer, sempre vai se lembrar”.

A agência da ONU para os refugiados palestinos estima que atualmente há mais de 5 milhões de pessoas nessa condição. O porta-voz da agência, Chris Gunness, afirma que eles vivem em um “estado de desapropriação e exílio, sob ocupação e bloqueio, em situações de extrema marginalização e vulnerabilidade”. Para Gunness, o Oriente Médio “vai continuar a ser um lugar instável enquanto essa situação política ficar sem solução”.

Situação dos campos de refugiados

As condições nesses campos se assemelham às de favelas brasileiras. Devido à alta densidade populacional, o espaço entre as casas é mínimo. Há um grande índice de pobreza e desemprego.

A situação legal dos refugiados palestinos varia conforme a política adotada pelo país em que eles estão. Na Jordânia, a maioria deles têm cidadania jordaniana. Eles estão de certa forma integrados à sociedade, apesar das dificuldades.

Já no Líbano a situação é bem complicada. Lá, eles não têm acesso a vários direitos e oportunidades. Os refugiados palestinos no Líbano estão proibidos de atuar em ao menos 20 profissões e muitos vivem em condição de extrema pobreza.

Na Síria, os refugiados palestinos foram obviamente muito afetados pela guerra. O conflito levou muitos a um segundo ou terceiro exílio. A Jordânia, inclusive, tem uma política de não receber refugiados palestinos da Síria desde 2013. Pessoas foram simplesmente enviadas de volta à Síria durante o conflito.

O maior campo de refugiados palestinos da Síria, Yarmouk, foi controlado por grupos rebeldes e pelo grupo Estado Islâmico. Atualmente, está cercado por forças do governo de Bashar al-Assad, que retomaram a área em uma forte ofensiva militar.

Reino Unido: imbróglio do Brexit e crise com Irã à espera do novo primeiro-ministro

Escândalo de corrupção envolvendo partido de Salvini e Rússia balança governo da Itália

Venezuela: crise econômica faz homicídios caírem porque armas custam caro demais

Nova presidente da Comissão Europeia quer continente neutro em carbono até 2050

Mercosul discute reformas internas para enfrentar concorrência europeia

Patrimônio da Unesco, Festival Naadam festeja séculos de tradição nômade na Mongólia

Campanha eleitoral começa na Argentina com Brasil e EUA reforçando apoio a Macri

Após aprovação de texto-base, deputados votam destaques que podem mudar reforma da Previdência

Para evitar gravidez precoce, projeto investe em visita de jovens jogadoras brasileiras à Holanda

Favorito, Johnson enfrenta Hunt em 1° debate na TV entre candidatos a premiê no Reino Unido

Terremotos na Califórnia reavivam medo de "Big One", tremor com consequências trágicas

ONGs aplaudem relatório da ONU sobre Direitos Humanos na Venezuela e pedem justiça

Mais de 1,4 milhão de refugiados vão precisar de reassentamento até 2020, diz agência da ONU

Central sindical argentina classifica acordo UE-Mercosul como “industricídio”

Prisão da capitã do navio "Sea-Watch 3" divide opinião pública da Itália

Com recusa de Salvini, navio humanitário Sea-Watch volta a águas internacionais

Foto de pai e filha mortos ressalta drama humano no debate sobre a imigração nos EUA

Novas sanções dos EUA ao Irã devem secar entrada de dinheiro no país