rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Índia Narendra Modi Política Redes Sociais

Publicado em • Modificado em

Premiê indiano pede que população avalie sua gestão usando aplicativo

media
O primeiro-ministro Narendra Modi testa sua popularidade pelas redes sociais REUTERS/Mohamad Torokman

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, surpreendeu ao propor que a população avalie seu trabalho por meio de um aplicativo. A ideia é conhecer a opinião dos eleitores antes da eleição legislativa prevista para 2019.


Antoine Guinard, correspondente da RFI em Nova Déli

Desde que assumiu o cargo, há quatro anos, o chefe do governo indiano tenta criar um diálogo com os eleitores, se apoiando principalmente nas novas tecnologias de comunicação. A ferramenta mais recente é o aplicativo NaMo, que o premiê espera usar como termômetro de sua popularidade.

Para participar da pesquisa de opinião, os indianos devem criar uma conta no site www.narendramodi.in, ou diretamente no aplicativo baixado no telefone celular. Em seguida, basta indicar a região de residência e opinar sobre a performance do governo. É possível avaliar temas ligados à corrupção, economia, segurança nacional ou ainda assuntos como a distribuição de eletricidade no mundo rural e a construção de estradas.

Os participantes podem dar nota que vão de “muito pobre” até “excelente”. Também é possível responder à questão: “você está mais otimista que antes sobre o futuro da Índia?”

A aplicação já foi baixada 5 milhões de vezes e se adiciona a uma série de ferramentas usadas pelo premiê para estabelecer uma certa proximidade com a população indiana. Modi foi um dos primeiros políticos do país a criar uma presença no Twitter, sua plataforma preferida. Ele abriu uma conta em 2009 e, como Donald Trump nos Estados Unidos, passou a comunicar sem passar pela imprensa. O premiê afirma ter cerca de 40 milhões seguidores na rede social. No entanto, um estudo divulgado recentemente contestou esse número, pois 60% dos “fãs” de Modi seriam perfis falsos.