rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Juiz uzbeque que criou confusão no Brasil é recordista de arbitragem na Copa

Por Adriana Moysés

A revista semanal "M", do jornal Le Monde, entrou no clima de Copa do Mundo e traz um perfil do juiz recordista em arbitragens na competição: o uzbeque Ravshan Irmatov, 40 anos, um ídolo em seu país.

Nascido em Tashkent, a capital do Uzbequistão, Irmatov apitou nove jogos em Mundiais e é um dos juízes mais jovens do planeta. Na Rússia, ele participa de sua terceira Copa. Ele passa a maior parte do tempo longe dos holofotes e das estrelas do futebol, trabalhando no campeonato nacional.

O uzbeque começou a carreira como jogador e era considerado um atleta promissor até sofrer uma lesão que enterrou seus planos, conta a revista "M". Seu pai era treinador de uma equipe juvenil do Uzbequistão e, um dia, na falta de um árbitro para apitar um amistoso, pediu ao filho para oficiar a partida.  

Polêmicas com Brasil e Croácia

Irmatov já protagonizou um grande incidente com a seleção brasileira. Ele reconheceu que cometeu um erro na partida entre Brasil e Itália na Copa das Confederações em 2013. O marcador registrava (3-1) a favor do Brasil quando, num lance de confusão perto da área, ele assinalou um pênalti para a Itália, mas desistiu da ideia quando viu que Giorgio Chiellini havia marcado o segundo gol italiano. A validação foi totalmente irregular, porque a regra não dá vantagem quando há falta dentro da área. Além desse episódio duvidoso, Irmatov foi muito criticado por não marcar faltas para o Brasil e não demonstrar rigor em punir jogadores italianos com cartão amarelo em alguns lances ríspidos. No fim, ele admitiu que havia errado.

Os croatas também têm más lembranças do uzbeque. No Brasil, em 2014, Irmatov distribuiu três cartões amarelos e um vermelho no jogo em que a Croácia perdeu para o México por 3-1 e foi eliminada na primeira rodada. Até hoje, os croatas continuam a detestá-lo por não ter marcado dois pênaltis que poderiam ter mudado o destino da equipe no torneio. Um ano depois, impassível, Irmatov foi eleito o melhor árbitro do mundo. Aos seus colegas, ele dá um conselho de bom senso: "Um árbitro não deve chegar em campo desejando ser o homem da partida".

Apesar das polêmicas, o juiz uzbeque é adorado em seu país. Quando ele apita, seus fãs usam a hashtag IrmatovBest para encorajá-lo na internet. Ele sabe que poderá contar com o apoio da grande comunidade uzbeque residente na Rússia. Na falta da seleção nacional, ausente da Copa, o jeito vai ser torcer para o juiz.

Exposição com fotos inéditas dos bastidores da Nouvelle Vague é destaque na imprensa francesa

“Cães dos poderosos”: animais de estimação de presidentes franceses são capa da revista do Le Monde

Projeto de extração de ouro na Guiana Francesa vira "mina da discórdia"

Filme sobre Edir Macedo ilustra poder dos evangélicos no Brasil, diz Le Monde

Finlândia tenta resolver crise de moradia oferecendo casa para os sem-teto

Nobel de Economia francês adverte contra discursos ultraconservadores distantes do interesse coletivo

Revista lembra laços com o Brasil de vítima de crime antissemita na França

Revista detalha prestação de contas confusa na campanha presidencial de Mélenchon

Jornalista e legista franceses desvendam mistérios sobre a morte de Hitler