rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-Mundo
rss itunes

Rede virtual conecta brasileiras pelo mundo

Elas vivem espalhadas pelo planeta. Mas têm uma casa virtual em comum: o Brasileiras pelo Mundo (BPM). O projeto surgiu como blog seis anos atrás, mas cresceu tanto que se transformou numa plataforma colaborativa. Hoje, conta com mais de 150 colunistas e virou referência para quem quer saber como é viver no exterior.

Por Cristiane Ramalho, correspondente da Rfi em Berlim

Criado pela brasileira Ann Moeller há exatamente seis anos, o BPM conseguiu formar uma vasta rede de colunistas. São mulheres escrevendo para mulheres, numa cobertura que alcança mais de 80 países. Entre eles, China, Japão, Tailândia, Estados Unidos, México, e praticamente toda a Europa.

Tatiane Domingos, de 37 anos, é uma das dez colunistas da Alemanha. Radicada há 14 anos no país, ela hoje administra três hotéis na região de Stuttgart e pôde patrocinar o encontro internacional do BPM na cidade, em maio. No início, porém, foi tudo bem difícil.

“Quem já tem bagagem acha que vai conseguir logo o mesmo patamar que tinha no Brasil. Não é bem assim. Às vezes, é preciso recomeçar do zero”. Ao chegar, Tatiane teve que aprender alemão e voltar a estudar, mesmo já sendo formada: “A gente se sente perdida. E o BPM oferece uma bela ajuda”.

Crise brasileira deu mais visibilidade ao projeto

Com a crise no Brasil, o projeto vem ganhando mais visibilidade. “O tráfego do site aumentou muito nos últimos meses. A gente percebe que tem mais gente qualificada querendo deixar o país”, observa a santista Ann Moeller, de 46 anos, editora-chefe e fundadora do BPM.

Ann é catedrática quando o assunto é morar fora. São 28 anos longe do Brasil: seis em Lisboa, e 22 em Londres – onde vive atualmente.

Ela conta que 80% do tráfego do BPM vêm do Brasil. “São mulheres – e alguns homens – querendo entender melhor como é a vida no exterior”, diz a editora, lembrando que a plataforma já conta com 500 mil acessos mensais, em média.

Quem nunca viajou para fora do Brasil, diz Ann, tende a se iludir. “Muitos acham que viver nos Estados Unidos é como estar na Disney, numa bolha de felicidade. Já a Europa é vista como o lugar da beleza, da magia dos castelos, da realiza britânica. Mas a vida aqui não é um mar de rosas”, pontua. Ela lembra que o custo de vida é alto, e que é preciso batalhar muito para fechar o orçamento no fim do mês.

Prós e contras de morar no estrangeiro

Para que cada um saiba o que pode encontrar pela frente, a plataforma criou uma coluna com 10 motivos para se morar e 10 para não se morar num país. “É preciso mostrar os dois lados da moeda”, justifica a editora.

“As pessoas acham que só o Brasil tem problemas econômicos e políticos. Infelizmente, isso existe em todos os lugares, embora em escalas diferentes. Não tem lugar perfeito”, destaca.

Muitos, porém, preferem evitar ser confrontados com esses aspectos negativos. Acham que é mais informação do que precisam. “Tem gente que diz: ‘Ah, você quer estragar o meu sonho’. Mas temos que mostrar a realidade. Se você não gosta de frio, não pode morar na Alemanha”.

Na Alemanha, ator brasileiro luta para combater estereótipos de negros em cena

Artistas latinos vivem imersão nos Emirados Árabes para participar da Art Dubai

Médico brasileiro faz transplante de pulmão na esposa do presidente de Israel

Estilista do Ceará é 1° brasileiro escolhido em concurso de jovens talentos na Fashion Week de Londres

Brasileiros que vivem no Reino Unido com passaporte europeu também precisam se adequar ao Brexit

Brasileira fez parte da primeira formação de consultores do método Marie Kondo

Equipe de jornalistas brasileiros dribla censura e filma na Arábia Saudita

Soprano paraense começou tarde carreira lírica, mas hoje canta na Ópera Estatal de Berlim

Instituto Camões aposta em parceria com Brasil para promoção da língua portuguesa

Brasileira que trabalhou com família real britânica conta bastidores e gafes com a rainha

Único terreiro de candomblé na Alemanha só pode fazer seis rituais por ano

Artista brasileiro expõe na Itália obras de seu ateliê com portadores de deficiência