rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Hamas Israel Trégua Violência Palestina

Publicado em • Modificado em

Explosão mata dois palestinos após anúncio de trégua entre Hamas e Israel

media
Ataque israelense a prédio em Gaza neste sábado REUTERS/Ahmed Zakot

Uma explosão em um prédio situada perto da Faixa de Gaza provocou a morte de dois palestinos e deixou um ferido neste domingo(15), segundo as autoridades palestinas do Ministério da Saúde. A origem do incidente, que ocorre poucas horas depois do anúncio do cessar-fogo entre o Hamas e Israel, ainda é desconhecida.


O Hamas anunciou neste sábado (14) uma trégua para acabar com os ataques aéreos contra a Faixa de Gaza e os disparos de foguetes em direção ao território israelense, após os bombardeios mais importantes contra o enclave palestino desde a guerra de 2014.

A trégua foi obtida graças à mediação do Egito, segundo o porta-voz do Hamas, Fawzi Barhoum. O exército israelense não se pronunciou sobre a interrupção dos combates. Dois adolescentes palestinos morreram nos ataques aéreos de Israel na Faixa de Gaza neste sábado, apontados como "o golpe mais duro" de Israel sobre o Hamas desde 2014 pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Os ataques se seguiram a uma sexta-feira de violentas manifestações na faixa que separa Israel do enclave palestino. Um jovem palestino morreu e centenas ficaram feridos. Segundo o Ministério local da Saúde, um adolescente de 15 anos foi baleado no leste da Cidade de Gaza, e outros 220 palestinos ficaram feridos.

Na tarde deste sábado, o Ministério da Saúde de Gaza informou que dois adolescentes palestinos de 15 e 16 anos morreram nos bombardeios aéreos contra um prédio situado a oeste da Cidade de Gaza. Os jovens morreram quando estavam na rua, abaixo do prédio, que estava vazio no momento do bombardeio, disse a fonte.

Ataques vão continuar

Três civis israelenses ficaram feridos no sábado quando um foguete atingiu sua casa, no sul do país. Antes do anúncio da trégua israelense o general da Força Aérea Tzvika Haimovic declarou que a campanha aérea "maciça" iria continuar, sem especificar seus objetivos. "Estamos preparados para todos os cenários possíveis", garantiu.

Desde o dia 30 de março, a Faixa de Gaza é palco de protestos contra o bloqueio israelense. Os soldados israelenses já mataram 140 palestinos desde que começou a mobilização.

(Com informações da AFP Brasil)