rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Líbano Música pop Cantor Crime Salafistas

Publicado em • Modificado em

De estrela pop a salafista perseguido no Líbano: Fadl Shaker tenta voltar aos palcos em 2018

media
Fadl Shaker, ex-astro da música pop libanesa e o fugitivo mais conhecido do Líbano, Reprodução Facebook

Para conhecer o fugitivo mais conhecido do Líbano, é preciso entrar no campo palestino de Diner Holloway, onde sua advogada o visita todo mês. Estamos falando de Fadl Shaker, antiga estrela da música pop libanesa que, ao se converter ao salafismo, em 2012, tornou-se inimigo e persona non grata em seu próprio país.


Com informações de Nicolas Feldmann, correspondente RFI em Beirute

As canções de amor do cantor libanês eram conhecidas em todo o mundo árabe, e seus shows lotavam as casas de espetáculo em seu país. Mas Shaker vive agora num dos campos destinados a refugiados palestinos que cercam o Líbano.

“Cada vez que entramos aqui, existe um bloqueio contra o Exército Libanês. Então toda vez que passamos por aqui, não há nenhuma autoridade libanesa presente”, diz a advogada que representa Fadl Shaker, ex-astro da música árabe pop.

Voz de veludo e confronto com Exército libanês

Os libaneses conhecem Fadl Shaker principalmente por causa de sua voz de veludo, explorada durante uma carreira musical de sucesso de 20 anos, interrompida no início do conflito sírio. Em 2012, o artista se aproxima de um xeique salafista e seus inimigos, Bashar al-Assad e o Hezbollah, o acusam de perseguir os sunitas. Shaker, de 49 anos, vive hoje recluso num apartamento de quarto e sala no campo de refugiados palestinos.

A antiga estrela da música pop libanesa escapou de uma condenação do tribunal militar do Líbano, com uma pena de 15 anos de prisão pela sua implicação em violentos conflitos com o Exército libanês em 2013. Foram dois dias de combate e cerca de 60 mortos, 20 deles entre os militares. O Líbano nunca perdoou o artista pelo episódio.

Fuga dura seis anos

Mesmo tendo sido absolvido pela morte dos soldados libaneses, o cantor continua sendo acusado de “pertencimento a um grupo armado”. No entanto, Fadl Shaker continua em contato com produtores musicais. Há seis anos, ele foge da polícia libanesa, mas não esconde a vontade de voltar à música. Sua última canção, gravada para a trilha sonora de uma série de TV egípcia, em 2018, lhe rendeu US$ 40 mil.

O retorno à cena musical, no entanto, foi extremamente criticado no Líbano pelas famílias dos soldados assassinados nos confrontos com o grupo armado salafista do qual Shaker fez parte. Sob pressão, a produção da TV egípcia acabou por tirar do ar a música do artista libanês.

Segundo o jornalista musical Béchara Maroun, entrevistado pela RFI em Beirute, “o renascimento de Fadl Shaker se anuncia complicado”: “uma grande parte dos cidadãos libaneses estão contra o músico, eu não acho que ele consiga mais fazer shows aqui”. “Talvez no Marrocos, na Argélia ou no Egito as pessoas estariam mais abertas a aceitá-lo”, completa.