rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Documentário brasileiro “Zaatari” revela força e poesia de refugiados sírios na Jordânia

Por Márcia Bechara

Zaatari é um imenso campo de refugiados sírios localizado no deserto da Jordânia. Inicialmente criado como uma estrutura transitória, o campo, que hoje abriga cerca de 80 mil pessoas, já se tornou a quarta maior cidade do país, na fronteira com a Síria, segundo informações da rede al-Jaazera. O documentário brasileiro “Zaatari – Memórias do Labirinto” empresta o nome ao campo de refugiados e começa uma trajetória internacional de sucesso, tendo sido exibido no prestigioso canal franco-alemão ARTE. O RFI Convida desta quinta-feira (2) entrevista a produtora-executiva do documentário e co-autora do argumento original, Ana Cláudia Streva.

*Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na foto acima

Ana Cláudia Streva começou a produzir filmes em 2015, quando criou sua produtora, a Nós. Nesta época, Ricardo Vargas, co-autor do argumento original de “Zaatari”, trabalhava na Organização das Nações Unidas (ONU) como diretor mundial de projetos. “Em uma das nossas conversas, ele me mandou um email sobre o Zaatari, e achei incrível, já acompanhava. Respondi dizendo que queria fazer um filme nesse lugar. Ricado disse: ‘vamos fazer’ “, conta Streva.

Mas filmar num campo de refugiados não é tão fácil assim.  “Através do Ricardo, conseguimos acesso ao campo. Tivemos também o apoio do governo da Jordânia e da Acnur, a agência mundial da ONU para os Refugiados. Através destes parceiros estratégicos, conversamos com o prefeito do campo na época, que hoje, por exemplo, se encontra em Mossul [no Iraque]. Fomos viabilizando este acesso para que a gente pudesse fazer uma pesquisa de personagem, a primeira etapa do filme no campo de refugiados”, relata a produtora.

"Portraits"

A narrativa do documentário é construída a partir de “portraits”, retratos falados com as histórias de personagens carismáticos que habitam Zaatari. “O primeiro personagem que nos extasiou quando ouvimos sua história foi a Fátima, a fotógrafa do filme, uma das protagonistas. Entendemos sua capacidade de refazer a vida diante de toda tragédia. Ela chegou no campo sem o marido, com três filhos; ela continuou viva por causa da fotografia. O pintor de contêineres [com paisagens urbanas sírias] também nos emocionou muito”, detalha Streva.

“É isso que os mantém vivos. É como se eles estivessem em um limbo. Eles não podem voltar para casa, na Síria, e não podem seguir adiante. Eles estão presos ali, nesse lugar onde não existem muitas escolhas”, diz a produtora de “Zaatari”. “Ao longo do documentário, o diretor Pascoal Samora trouxe aquela história de tapar os olhos dos refugiados para acessar a memória das pessoas. Tudo isso trouxe uma riqueza para o filme e foi necessário pra gente desvendar, para conseguirmos entrar nestes personagens”, conta.

Entre 2011 e 2018, a guerra civil na Síria matou mais de 500 mil pessoas e exilou cerca de 5 milhões. Trata-se da pior crise migratória da história da humanidade, desde a Segunda Guerra Mundial.

“Uso da religião está sendo deturpado nas eleições", diz médium Divaldo Franco

“Minha música é um engajamento pela liberdade”, diz gaúcho radicado na França

“Apenas distanciamento histórico vai explicar o que deu errado no Brasil”, diz cineasta Filipe Galvon

"Brasileiros querem coisas novas, mesmo que elas piorem para depois melhorar", diz Luiz Olavo Baptista

Jussara Korngold: "Brasileiros contribuiram para entrada do espiritismo nos EUA"

Documentário sobre ocupação do prédio do IBGE durante Rio 2016 é lançado na França

“Brasil virou um território da burrice”, diz escritor Bernardo Carvalho

“Há uma crença de que um regime mais militarizado colocaria ordem no Brasil”, diz historiadora da USP

Campanha da extrema direita mergulha Brasil em momento regressivo, diz especialista em segurança

"Faremos políticas públicas de alto impacto e baixo custo", diz cocandidata da Bancada Ativista de SP

Bolsonaro é produto de "avacalhação" da democracia brasileira, diz analista

Tudo o que você precisa saber para votar nas eleições brasileiras de 2018 em Paris

“Eu quis mostrar o ciclo criminoso que persiste no sertão brasileiro”, diz cineasta Eduardo Morotó em Biarritz

“Era inimaginável ver alguém defendendo a volta da ditadura, como hoje no Brasil”, diz a cineasta Flávia Castro

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris