rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Documentário brasileiro “Zaatari” revela força e poesia de refugiados sírios na Jordânia

Por Márcia Bechara

Zaatari é um imenso campo de refugiados sírios localizado no deserto da Jordânia. Inicialmente criado como uma estrutura transitória, o campo, que hoje abriga cerca de 80 mil pessoas, já se tornou a quarta maior cidade do país, na fronteira com a Síria, segundo informações da rede al-Jaazera. O documentário brasileiro “Zaatari – Memórias do Labirinto” empresta o nome ao campo de refugiados e começa uma trajetória internacional de sucesso, tendo sido exibido no prestigioso canal franco-alemão ARTE. O RFI Convida desta quinta-feira (2) entrevista a produtora-executiva do documentário e co-autora do argumento original, Ana Cláudia Streva.

*Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na foto acima

Ana Cláudia Streva começou a produzir filmes em 2015, quando criou sua produtora, a Nós. Nesta época, Ricardo Vargas, co-autor do argumento original de “Zaatari”, trabalhava na Organização das Nações Unidas (ONU) como diretor mundial de projetos. “Em uma das nossas conversas, ele me mandou um email sobre o Zaatari, e achei incrível, já acompanhava. Respondi dizendo que queria fazer um filme nesse lugar. Ricado disse: ‘vamos fazer’ “, conta Streva.

Mas filmar num campo de refugiados não é tão fácil assim.  “Através do Ricardo, conseguimos acesso ao campo. Tivemos também o apoio do governo da Jordânia e da Acnur, a agência mundial da ONU para os Refugiados. Através destes parceiros estratégicos, conversamos com o prefeito do campo na época, que hoje, por exemplo, se encontra em Mossul [no Iraque]. Fomos viabilizando este acesso para que a gente pudesse fazer uma pesquisa de personagem, a primeira etapa do filme no campo de refugiados”, relata a produtora.

"Portraits"

A narrativa do documentário é construída a partir de “portraits”, retratos falados com as histórias de personagens carismáticos que habitam Zaatari. “O primeiro personagem que nos extasiou quando ouvimos sua história foi a Fátima, a fotógrafa do filme, uma das protagonistas. Entendemos sua capacidade de refazer a vida diante de toda tragédia. Ela chegou no campo sem o marido, com três filhos; ela continuou viva por causa da fotografia. O pintor de contêineres [com paisagens urbanas sírias] também nos emocionou muito”, detalha Streva.

“É isso que os mantém vivos. É como se eles estivessem em um limbo. Eles não podem voltar para casa, na Síria, e não podem seguir adiante. Eles estão presos ali, nesse lugar onde não existem muitas escolhas”, diz a produtora de “Zaatari”. “Ao longo do documentário, o diretor Pascoal Samora trouxe aquela história de tapar os olhos dos refugiados para acessar a memória das pessoas. Tudo isso trouxe uma riqueza para o filme e foi necessário pra gente desvendar, para conseguirmos entrar nestes personagens”, conta.

Entre 2011 e 2018, a guerra civil na Síria matou mais de 500 mil pessoas e exilou cerca de 5 milhões. Trata-se da pior crise migratória da história da humanidade, desde a Segunda Guerra Mundial.

"Vitimização de Lula é estratégia do PT para angariar votos", diz cientista político

Sergio Amadeu: combate à desinformação na rede é importante mas não pode virar censura

“Nosso trabalho é mais valorizado fora do Brasil”, diz Sandra Veloso, do Balé Folclórico de Fortaleza

Ilustradora Suppa e Miguel Falabella criam canal no Youtube para crianças de todas as idades

A carne é um objeto de sedução e excitação, diz Júlio Bressane em Locarno

Calixto Neto dança a “ira” para reinventar “corpos minoritários” no Festival Camping, em Paris

"Rever acordos de paz com as FARC é um risco para novo presidente da Colômbia”, diz historiador

Em Arles, Thyago Nogueira, do IMS, divulga fotografia brasileira contemporânea

Cineasta franco-suíço apresenta filme sobre a busca por entrevista com João Gilberto

Crise ameaça renovação da classe científica brasileira, diz Marcelo Viana, organizador do Congresso Internacional de Matemáticos

Revista acadêmica francesa lança número especial sobre crise política no Brasil

"Existe um índio dentro de cada brasileiro", diz Ernesto Neto, em cartaz com a escultura monumental GaiaMotherTree na Suíça

Turistas brasileiros cada vez mais interessados em história da arte em Paris

“Riqueza infinita”: apresentador Gilles Bourgarel promove música brasileira há 14 anos na Françar

“Discussão sobre identidade de gênero no teatro é uma tendência mundial”, diz professora da USP que acompanha o Festival de Avignon