rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Documentário brasileiro “Zaatari” revela força e poesia de refugiados sírios na Jordânia

Por Márcia Bechara

Zaatari é um imenso campo de refugiados sírios localizado no deserto da Jordânia. Inicialmente criado como uma estrutura transitória, o campo, que hoje abriga cerca de 80 mil pessoas, já se tornou a quarta maior cidade do país, na fronteira com a Síria, segundo informações da rede al-Jaazera. O documentário brasileiro “Zaatari – Memórias do Labirinto” empresta o nome ao campo de refugiados e começa uma trajetória internacional de sucesso, tendo sido exibido no prestigioso canal franco-alemão ARTE. O RFI Convida desta quinta-feira (2) entrevista a produtora-executiva do documentário e co-autora do argumento original, Ana Cláudia Streva.

*Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na foto acima

Ana Cláudia Streva começou a produzir filmes em 2015, quando criou sua produtora, a Nós. Nesta época, Ricardo Vargas, co-autor do argumento original de “Zaatari”, trabalhava na Organização das Nações Unidas (ONU) como diretor mundial de projetos. “Em uma das nossas conversas, ele me mandou um email sobre o Zaatari, e achei incrível, já acompanhava. Respondi dizendo que queria fazer um filme nesse lugar. Ricado disse: ‘vamos fazer’ “, conta Streva.

Mas filmar num campo de refugiados não é tão fácil assim.  “Através do Ricardo, conseguimos acesso ao campo. Tivemos também o apoio do governo da Jordânia e da Acnur, a agência mundial da ONU para os Refugiados. Através destes parceiros estratégicos, conversamos com o prefeito do campo na época, que hoje, por exemplo, se encontra em Mossul [no Iraque]. Fomos viabilizando este acesso para que a gente pudesse fazer uma pesquisa de personagem, a primeira etapa do filme no campo de refugiados”, relata a produtora.

"Portraits"

A narrativa do documentário é construída a partir de “portraits”, retratos falados com as histórias de personagens carismáticos que habitam Zaatari. “O primeiro personagem que nos extasiou quando ouvimos sua história foi a Fátima, a fotógrafa do filme, uma das protagonistas. Entendemos sua capacidade de refazer a vida diante de toda tragédia. Ela chegou no campo sem o marido, com três filhos; ela continuou viva por causa da fotografia. O pintor de contêineres [com paisagens urbanas sírias] também nos emocionou muito”, detalha Streva.

“É isso que os mantém vivos. É como se eles estivessem em um limbo. Eles não podem voltar para casa, na Síria, e não podem seguir adiante. Eles estão presos ali, nesse lugar onde não existem muitas escolhas”, diz a produtora de “Zaatari”. “Ao longo do documentário, o diretor Pascoal Samora trouxe aquela história de tapar os olhos dos refugiados para acessar a memória das pessoas. Tudo isso trouxe uma riqueza para o filme e foi necessário pra gente desvendar, para conseguirmos entrar nestes personagens”, conta.

Entre 2011 e 2018, a guerra civil na Síria matou mais de 500 mil pessoas e exilou cerca de 5 milhões. Trata-se da pior crise migratória da história da humanidade, desde a Segunda Guerra Mundial.

“Favela é o maior resumo do Brasil”, afirma ativista do Complexo do Alemão

“Caso Coaf prova que Bolsonaro nunca foi ‘outsider’”, afirma Manuela D’Ávila em Roma

“PT não promoveu alfabetização política no Brasil”, diz Frei Betto

Cineasta Marcelo Novais lança em Paris um “diário íntimo de uma geração”

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Representante dos delegados da Polícia Federal diz ser contra banalização das armas no Brasil

Lia Rodrigues volta à Paris com “Fúria”, coreografia com moradores da favela da Maré

Militares nomeados por Bolsonaro são mais moderados do que ministros, diz Leonardo Sakamoto

“Comunidade internacional espera responsabilidade ambiental do Brasil”, diz especialista

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Fotógrafo brasileiro lembra 30 anos da morte de Chico Mendes com exposição em Paris

Músicos Francis e Olivia Hime homenageiam Vinicius de Moraes na França

“Ser estrangeiro me fez escritor”, diz Natan Barreto, que lança livro de poesias em Paris

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna