rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Irã Sanções Programa Nuclear

Publicado em • Modificado em

Irã: Manifestantes protestam contra governo e atacam escola religiosa

media
O presidente iraniano, Hassan Rohani, enfrenta há semanas uma onda de protestos contra o aumento do custo de vida no país. REUTERS/Lisi Niesner

Após vários protestos contra a degradação da situação econômica em diferentes cidades do país nos últimos dias, manifestantes iranianos atacaram uma escola religiosa próximo de Teerã nesta sexta-feira (3). As manifestações são vistas como uma consequência das sanções impostas pelos Estados Unidos contra o Irã.


Siavosh Ghazi, correspondente da RFI em Teerã

Segundo o diretor da escola teológica, Hojatoleslam Hindiani, cerca de 500 pessoas atacaram o estabelecimento no final do dia. Aos gritos de slogans contra os religiosos do país, o grupo apedrejou todas as janelas do prédio. O ato aconteceu em Ishtehard, cidade de 30 mil habitantes a 100 km ao oeste da capital.

Ainda de acordo com o diretor da escola, a polícia dispersou rapidamente os manifestantes e alguns deles chegaram a ser detidos. As autoridades estão em busca dos demais participantes.

As manifestações contra a situação econômica no Irã estão se tornando cada vez mais frequentes. Vídeos publicados nos últimos dias mostram protestos de centenas de pessoas em diferentes cidades, inclusive em Teerã. Mas esses atos ainda estão longe dos registrados em janeiro passado em dezenas de cidades, quando cerca de 20 pessoas morreram em confrontos.

Uma das razões da degradação econômica no Irã é a bateria de sanções impostas pelos Estados Unidos após a saída de Washington do acordo nuclear que havia sido assinado com Teerã. A queda do Rial, a moeda iraniana, que perdeu metade de seu valor desde o início do ano, provocou um aumento nos preços de todos os produtos no país, afetando intensamente a rotina da população.

O governo do presidente Hassan Rohani enfrenta a oposição dos conservadores e líderes religiosos, que criticam sua atuação a respeito do Ocidente e buscam tirar proveito da indignação contra a corrupção para derrubá-lo.