rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Turquia EUA Boicote Apple

Publicado em • Modificado em

Erdogan pede que Turquia boicote eletrônicos americanos e ameaça Apple

media
O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, que já foi visto várias vezes usando produtos da Apple, pede o boicote da empresa americana. REUTERS/Umit Bektas

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, anunciou nesta terça-feira (14) que seu país vai "boicotar" os produtos eletrônicos americanos. A medida é apresentada como uma retaliação ao governo de Donald Trump, que anunciou na semana passada uma sobretaxa no aço e alumínio da Turquia. 


"Vamos aplicar um boicote contra os produtos eletrônicos americanos", afirmou Erdogan em um discurso na televisão. "Se (os Estados Unidos) têm iPhones, há Samsung do outro lado", declarou o chefe de Estado, em uma referência à marca americana Apple e à rival sul-coreana. "E nós temos os nossos Venus e Vestel", completou, em referência a marcas eletrônicas turcas.

Os produtos da Apple são muito usados na Turquia, inclusive por Erdogan, que costuma ser fotografado com um iPhone, ou com um iPad na mão. Durante a tentativa de golpe de Estado de 15 a 16 de julho de 2016, o presidente pediu a seus seguidores que fossem às ruas, recorrendo ao aplicativo FaceTime, desenvolvido pela Apple.

As declarações de Erdogan surgem no momento em que Ancara e Washington, dois aliados na Otan, atravessam uma crise diplomática que piorou com a detenção na Turquia do pastor americano Andrew Brunson. Em resposta, os Estados Unidos impuseram sanções contra dois ministros turcos, e Ancara retrucou com medidas similares.

Mas a medida que começou a ter consequências diretas na economia da Turquia foi a decisão de Trump de aumentar as tarifas de importação do aço e do alumínio turcos. O anúncio reforçou a queda da lira, que despencou nos últimos dias. A moeda turca perdeu mais de 40% de seu valor desde o início do ano.

O apelo ao boicote feito por Erdogan provocou reações diversas nas redes sociais. Vários internautas ironizaram o assunto, alegando que, com a queda da lira, a maioria dos turcos não teria, mesmo que quisesse, como comprar um iPhone.

(Com informações da AFP)