rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Conheça Jean Liu, a chinesa que derrotou a americana Uber

Por Silvano Mendes

A revista francesa Le Point desta semana traz um longo perfil da empresária chinesa Jean Liu. Desconhecida do grande público, a executiva de 40 anos dirige o grupo Didi, conglomerado que venceu a queda de braço com a gigante Uber, obrigando o aplicativo americano a abrir mão do mercado chinês em 2016.

O grupo Didi tem diferentes atividades, explica o texto. A mais importante delas é o transporte de pessoas, seja por meio de taxis, ônibus e bicicletas, além de um serviço de carros com chofer, do tipo Uber. Mas a empresa também atua na entrega de comida, possui postos de gasolina e oficinas mecânicas, e tem seu próprio sistema de seguros.

Por traz desse emaranhado de atividades, está Jean Liu, ex-diretora para a Ásia do banco Goldman Sachs, que pilota o grupo com mão de ferro. “Ela representa essa geração com sede de sucesso, que cresceu ao mesmo tempo que o milagre econômico chinês e para quem tudo é possível. Basta querer”, afirma o texto.

Filha de Liu Chuanzhi, o fundador de Lenovo, líder mundial dos PCs, que entrou para a história ao comprar parte da IBM, Jean Liu começou sua carreira nos bancos em Nova York. Na época, ela queria ser reconhecida por seu talento, e não pelo fato de ter um pai famoso no mundo dos negócios, conta a reportagem. “Workaholic, a jovem chegou a trabalhar mais de 100 horas por semana quando começou”, só para mostrar que era capaz de vencer sozinha.

“Ela é algo híbrido, combinando o espírito de competição capitalista e os valores chineses, encarnando o aumento do poder tecnológico da segunda economia mundial”, avalia a revista francesa. Quando volta para a China, Jean investe essa ambição em um novo projeto: a direção da startup Didi Chuxing. A empresa é fruto da fusão entre dois aplicativos locais de gestão de serviços de taxi, que decidiram se unir para recuperar o terreno que o Uber vinha conquistando no país.

Uber jogou a toalha após ter gasto mais de US$ 1 bilhão no mercado chinês

A transação aconteceu no momento em que o gigante americano já havia gasto mais de US$ 1 bilhão e penava para se implantar no maior mercado online do mundo. Didi aproveitou o instante de fraqueza do Uber e se ofereceu para assumir as operações da empresa no país, em troca de uma participação no capital do aplicativo americano, conta Le Point.

Desde que absorveu o Uber, o aplicativo tem praticamente o monopólio do mercado chinês, com 500 milhões de usuários. E esse sucesso se deve ao fato de que a Didi, que se apresenta como “a maior plataforma móvel de transporte no mundo”, conhece melhor os hábitos dos chineses que o partido comunista, explica o texto. Principalmente graças ao sistema de dados coletados durante as 30 milhões de corridas diárias, em 400 cidades diferentes, ao ponto de servir de consultora para o governo sobre temas ligadas ao tráfego na China, um dos principais problemas das metrópoles do país. Hoje, o grupo tem 10 mil empregados, metade deles engenheiros ou especialistas de big data, pontua a revista.

O grupo Didi ainda não gera lucros, e pretende fazer sua entrada na Bolsa de Valores apenas no ano que vem. “Para seduzir os investidores, a empresa deve continuar crescendo”, analisa o texto. Por enquanto essa vontade se manifesta por meios das parcerias com os antigos rivais do Uber, como Brab e Lyft na Ásia ou a estoniana Taxify, na Europa. Mas a gigante chinesa também está de olho em novos mercados, como o brasileiro, pois comprou o aplicativo 99, além de ter se lançado com seu próprio nome na Austrália, México e prepara sua chegada no Japão, completa a reportagem da revista francesa Le Point.

Livreiro espalha ursos de pelúcia em bairro de Paris e cria laços entre vizinhos

Revista conta como artistas húngaros vivem com a política repressiva de Orban

Figurinos de Jean Paul Gaultier para Portela já despertam interesse dos franceses

Revista L’Obs traz matéria sobre o “Fascismo Tropical” de Bolsonaro

Revista francesa traz perfil de vice de Bolsonaro, um “general sinistro”

Com recompensa de US$ 25 mi, líder do grupo EI é o homem mais procurado do mundo

Rival de Merkel consegue se impor como homossexual em partido homofóbico

Qualquer que seja o presidente eleito, será difícil tirar Brasil da crise, diz revista francesa Le Point

Psiquiatras franceses defendem Plano Nacional para tratar distúrbios mentais

Revista revela casos de assédio sexual nos conservatórios musicais da França

Livro mostra como poder econômico compra eleição e enfraquece democracia

Francesa mostra circuito de 200 motéis como atração turística do Rio de Janeiro

Revista L’Obs questiona “o que é ser um homem na era pós #Metoo”