rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

Europa deve reagir ao populismo xenófobo e às manobras de Putin

Por Alfredo Valladão

Na Europa, os imigrantes são um pretexto:  nada melhor do que um bode expiatório para criar medo e ressentimento. Sobretudo nos rincões rurais ou periféricos que praticamente nunca viram um refugiado estrangeiro. Onde populações marginalizadas e empobrecidas não têm meios profissionais ou culturais para acompanhar as profundas mudanças sociais contemporâneas.

Se sentindo abandonadas pelo poder público e pelos seus concidadãos dos centros urbanos mais dinâmicos, elas são buchas de canhão perfeitas para os partidos nacionalistas e xenófobos. Tanto da extrema-direita quanto da extrema-esquerda, cujos discursos de ódio social estão cada vez mais próximos. A cada eleição, esses movimentos antissistema ganham votos e chegam a representar até um quinto do eleitorado.

Claro, ainda estão longe de ser maioria. Mas a sua simples presença exaltando a intolerância e o racismo, e propondo acabar com a integração europeia e se entrincheirar nas fronteiras nacionais nas mãos de salvadores da pátria, cria um clima de violência permanente, verbal e física.

Há poucos dias, na cidade de Chemnitz, na Alemanha oriental, o partido de extrema-direita AfD topou até ir para rua junto com grupelhos neonazistas para uma verdadeira “caça aos imigrantes”. E não adianta mostrar que eram só uns quatro mil extremistas, e que no dia seguinte, mais de 60.000 pessoas vieram manifestar contra esse tipo de comportamento. Com a informação contínua das televisões, rádios e redes sociais, o país caiu numa crise de nervos.

Partidos populistas no poder

Hoje qualquer incidente envolvendo um emigrante, repercute na Europa inteira e alimenta todo tipo de extremismo chauvinista. Basta olhar para as eleições legislativas na Suécia – provavelmente o país europeu mais tolerante e bem administrado – onde o antigo partido neonazista SD encaçapou 18% dos votos. Hoje, a extrema-direita populista compartilha o poder na Áustria, na Itália, na Hungria ou na Noruega.

E nos outros países do Velho Continente, os movimentos soberanistas extremistas, da esquerda e da direita, tem peso suficiente para influenciar diretamente a vida política.

Um clima de histeria social que está provocando o declínio e a fragmentação dos partidos de governo tradicionais. O resultado é que os países europeus estão cada vez mais ingovernáveis.

Os populistas nacionalistas – no poder ou não – são incapazes de propor e implementar soluções para os problemas da população, enquanto as forças políticas de sempre não conseguem mais gerar consensos internos sobre o que fazer.

A grande maioria das populações não quer saber de ódios chauvinistas. Mas está ficando refém de políticos oportunistas e sem bússola, incapazes de enfrentar os discursos extremistas.

O perigo principal é o derretimento da União Europeia. Há anos que a estratégia do presidente russo, Vladimir Putin, é desintegrar a construção europeia para sobrar como única grande potência do continente. A ideia é aproveitar a retirada dos Estados Unidos de Donald Trump para fazer da Rússia a potência hegemônica na região.

Aposta de Putin: fragmentação

O Kremlin decidiu apostar na fragmentação política de cada Estado membro ajudando, sem distinção ideológica, qualquer partido extremista europeu que queira acabar com a União Europeia.

As armas são a propaganda massiva pelas televisões e sites russos, falsas notícias, ingerências nas redes sociais e nas eleições, e até financiamentos e acordos de cooperação com partidos da extrema-direita. Isso está criando um problema de segurança séria para os governos europeus.

Como continuar compartilhando informações sobre a luta antiterrorista, ou o extremismo político, com os serviços de segurança austríacos, italianos ou húngaros, quando os partidos de extrema-direita que fazem parte desses governos passaram acordos de cooperação formais com o Kremlin e recebem dinheiro da Rússia?

Para não virar uma colônia russa, a Europa vai ter que reagir e isso passa por uma resposta séria às provocações do populismo xenófobo e às manobras de Putin. A eleição para o Parlamento Europeu, em 2019, vai ser a mãe de todas as batalhas. Quem sair vencedor vai decidir se a Europa de amanhã será aberta ou fechada, forte e independente ou fraca, submissa e violenta.

Opinião: Crise dos coletes amarelos pode paralisar a França por muito tempo

Opinião: reivindicação permanente de igualdade faz parte do DNA dos franceses

Movimento francês dos coletes amarelos revela onda de rejeição inédita no país

Política externa de governo Bolsonaro deve priorizar relações com países ricos

Opinião: Brasileiros viraram reféns de minorias extremistas que polarizaram a sociedade