rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

Busca de poder e expansão do Irã gerou inimigos para o regime

Por Alfredo Valladão

O Irã está começando a comer o pão que o diabo amassou. E o diabo pode ser o próprio regime dos aiatolás e seu poderoso braço armado, a Guarda Revolucionária. Os “Guardiões” acabam de perder vários homens num atentado contra uma parada militar na cidade de Ahvaz, na maior província petroleira do país. Não é a primeira vez que a Guarda é atacada, tanto pelo dito “Estado Islâmico”, quanto por combatentes curdos ou movimentos separatistas internos.

O governo iraniano está aprendendo uma velha lição: toda potência expansionista buscando um poder hegemônico fora de suas fronteiras, acaba criando um monte de inimigos.

O Irã aproveitou a fraqueza dos países ocidentais para tentar mandar nos destinos do Oriente Médio. A guerra na Síria entregou de bandeja para Teerã o controle do sul do país, permitindo a criação de um “corredor iraniano” entre o Líbano e a fronteira ocidental do Irã, passando pelo Iraque.

Essa jogada foi possível graças a oficiais dos Guardiões da Revolução que enquadraram o grupo militar xiita libanês – o Hezbollah – e milícias de combatentes xiitas afegãos ou iraquianos. Esses grupos fizeram o trabalho sujo de guerrear pelo Irã por procuração.

No Iêmen, Teerã apoia e arma os rebeldes xiitas hutis contra as forças sunitas apoiadas pela Arábia Saudita e os Emirados. Uma maneira de enfraquecer o inimigo figadal saudita.

No Iraque, os iranianos tentam controlar o processo político do país através de seus aliados xiitas. É muita areia para um caminhão: custa caríssimo e provoca o ódio de todos os regimes árabes sunitas da região, e também de Israel uma potência bem mais aguerrida.

Israel não vai tolerar

O estado judeu não pode tolerar a presença de forças iranianas ao lado de suas fronteiras no norte. Afinal de contas, o regime de Teerã não para de declarar que deseja a destruição de Israel. Portanto, o governo de Jerusalém multiplica os bombardeios na Síria contra as posições do Guardiões e de seus aliados xiitas. E os russos que trabalham com os iranianos são obrigados a engolir a afronta.

Na verdade, a guerra na Síria não acabou e o Irã está condenado a ficar empantanado num conflito de largo prazo. Por outro lado, o regime iraniano com seu programa nuclear e suas ambições de hegemonia regional provocaram uma corrida armamentista no Golfo.

A Arábia Saudita não pode aceitar a expansão e as provocações iranianas na região. E Riad também sabe utilizar grupos terroristas e separatistas sunitas para atacar os interesses iranianos. Aliás, o último atentado em Ahvaz aconteceu na única província iraniana onde a população é sunita e de origem árabe.

Pior para o Irã: a Rússia não quer ficar atolada para sempre na Síria porque não tem condições econômicas para bancar a reconstrução do país. E é Moscou quem garante a presença iraniana.

Pressão sobre Washington

Quanto aos Estados Unidos, eles são pressionados pelos aliados israelense e saudita para impedir o expansionismo do Irã. Resultado: Washington proclamou o fim do acordo nuclear e decretou um pesado embargo contra a economia e o petróleo iranianos. Tudo isso começa a doer. Claro, o regime dos aiatolás não está prestes a cair. Mas também fica claro que não tem meios para resistir em todas as frentes. 

O país está afundando na crise econômica e a população vem manifestando abertamente contra a dinheirama gastada no exterior em vez de aliviar os problemas domésticos.

Manifestações de rua cada vez maiores, atentados terroristas, movimentos separatistas, ajudados ou não por inimigos externos: o Irã não tem condições de enfrentar todo o mundo ao mesmo tempo. Só que a expansão hegemônica é uma das principais bases de poder do regime e dos próprios Guardiões da Revolução, que controlam já boa parte da economia do país.

Para brincar de imperialista é preciso ter muito cacife. O Irã ainda tem alguns trunfos, mas permanecer na mesa do jogo são outros quinhentos.

Opinião: Crise dos coletes amarelos pode paralisar a França por muito tempo

Opinião: reivindicação permanente de igualdade faz parte do DNA dos franceses

Movimento francês dos coletes amarelos revela onda de rejeição inédita no país

Política externa de governo Bolsonaro deve priorizar relações com países ricos

Opinião: Brasileiros viraram reféns de minorias extremistas que polarizaram a sociedade