rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Indonésia Terremoto Tsunami

Publicado em • Modificado em

Indonésia: depois de terremoto e tsunami, falta tudo em Palu

media
Moradores carregam o que podem pelo calçamento danificado pelo terremoto em Palu. REUTERS/Beawiharta

Na ilha de Celebes, na Indonésia, atingida há três dias por um terremoto seguido de um tsunami, o último número oficial de mortos era de pelo menos 884. “Esses dados podem aumentar, pois os corpos continuam chegando”, alerta a agência nacional para gestão de catástrofes.


Com informações do enviado especial da RFI a Palu, Joël Bronner

Palu é uma cidade condenada, cujos habitantes que podem, fazem de tudo para fugir. As estradas da região que ainda estão transitáveis transmitem um verdadeiro sentimento de êxodo. A imagem é de desolação, esvaziada pela metade, com prédios que desabaram sob a violência conjunta do terremoto, seguido do tsunami.

Na praia, uma das áreas mais atingidas pela invasão das águas, os objetos se espalham pela areia: um sapato de salto alto, um guarda-chuva de criança, portas, janelas, destroços de todos os tipos. Algumas scooters riscam caminhos por entre o entulho ao lado de arvores derrubadas e construções que desmoronaram.

Perto do mar, muitos cobrem o rosto com um lenço, para se proteger do cheiro nauseabundo, que só piora com o calor e a umidade. Uma espécie de mistura de maresia e podridão.

Diante do centro de distribuição de comida da cidade, o Korem 132 Tadulako, dezenas de pessoas se aglomeram diante do prédio administrado por militares.

A tensão é nítida, houve saques e algumas pessoas gritam com frequência que elas têm fome. Falta de tudo em Palu: água, comida, eletricidade, combustível.

Apelo por ajuda humanitária

Pelo menos 191 mil pessoas precisam de auxílio humanitário urgente no oeste da ilha, de acordo com a OCHA, escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários. Cerca de 46 mil crianças e 14 mil pessoas idosas, populações mais vulneráveis que vivem muitas vezes longe dos centros urbanos onde o governo concentra os esforços, precisam de ajuda, segundo a organização da ONU.