rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Trump pressionado para agir contra a Arábia Saudita em caso de jornalista desaparecido

O provável assassinato de um jornalista saudita em um consulado turco pode desestabilizar a política dos Estados Unidos no Oriente Médio. A Turquia e a Arábia Saudita concordaram em lançar uma investigação conjunta sobre o desaparecimento de Jamal Khashoggi, correspondente saudita do jornal The Washington Post e crítico ao regime de Ryad.

De Washington, Nathália Watkins para a RFI Brasil,

O jornalista desaparecido, de 59 anos, vive exilado nos Estados Unidos desde 2017 e foi visto pela última vez no dia 2 de Outubro, após ter entrado no consulado da Arábia Saudita em Istambul para obter um certificado de divórcio.

Os Estados Unidos anunciaram o envio de investigadores, apesar de a Turquia ter negado o envio de uma equipe ao país. O caso lança desafios geopolíticos e pode impactar a relação calorosa que o presidente americano Donald Trump estabeleceu com a Arábia Saudita desde o início do seu governo.
 
A repercussão

O caso ganha mais destaque com o passar dos dias. Vários congressistas se manifestaram em redes sociais e demostraram preocupação com o destino de Khashoggi, assim como o vice-presidente Mike Pence e o Secretário de Estado, Mike Pompeo. Um grupo bipartidário de senadores enviou uma carta ao presidente Donald Trump que exige investigações e abre caminho para a imposição de sanções contra a Arábia Saudita. Mas, no quadro atual, dificilmente o republicano tomará ações enérgicas contra o país aliado.

No início da semana, Trump se limitou a dizer que “não gosta de ouvir sobre o assunto” e, apesar de estar cada vez mais pressionado para se envolver diretamente no caso, se contentou dizer que ficaria furioso se o assassinato fosse confirmado. Trump se recusou a castigar a Arábia Saudita com a suspensão da venda de 110 bilhões de dólares em armas, proposta anunciou logo em sua primeira viagem como presidente.

Em retaliação ao sumiço do jornalista, a revista The Economist, o jornal The New York Times e os canais CNN e CNBC cancelaram suas participações um evento econômico em Ryad, previsto para o fim do mês. Já o empresário Richard Branson, da Virgin, suspendeu a negociação sobre o aporte de 1 bilhão de dólares para um projeto espacial.
 
Impacto geopolítico
 
Os Estados Unidos são bastante dependentes do apoio da Arábia Saudita em suas políticas ligadas ao Oriente Médio e se aproximaram ainda mais de Ryad durante o governo Trump. É com o apoio de Ryad que os americanos trabalham para conter o Irã, inimigo de ambos os países.

A parceria também é crucial para o setor petroleiro e na controversa operação liderada pelos sauditas no Iêmen. Atualmente, Donald Trump diz ter uma forte relação com o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, que foi impulsionada por seu genro, Jared Kushner, que também é assessor da Casa Branca. Kushner cultivou uma relação próxima com o país e apoiou Bin Salman quando ele manobrava para se tornar herdeiro de seu pai. Mas Bin Salman, de 33 anos, pode não ser o reformista que muitos acreditaram.

Caso o assassinato se confirme, as prioridades e estratégias americanas no Oriente Médio terão de ser repensadas. O caso pode ainda causar uma ruptura entre a Arábia Saudita e a Turquia, que vêm disputando silenciosamente influência e poder no mundo sunita. Para os sauditas, a Turquia já está se aproximando demais do Catar. Já o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, poderia usar a questão para reforçar o perfil da Turquia como um país islâmico moderado em relação ao reino saudita.

Ainda há dúvidas?

Por enquanto, todas as evidências de áudio e vídeo apontam para a hipótese de que, de fato, o jornalista não tenha saído vivo do consulado. Há rumores de que o plano original seria capturá-lo e não matá-lo. De qualquer modo, o mandante da ação não parece ser questionado por turcos ou americanos.

A inteligência de Ancara acredita que Khashoggi tenha sido morto pelo governo da Arábia Saudita e anunciou ter evidências de que o jornalista do Washington Post fora torturado, assassinado e desmembrado por um grupo de 15 sauditas. Já a imprensa americana noticia que discussões sauditas sobre o plano contra o jornalista foram interceptadas pela inteligência.

De fato, a Arábia Saudita parece ter bons motivos para querer calar Khashoggi. Ex-editor de jornal e consultor do ex-chefe de inteligência de seu país, ele é forte crítico da política saudita na guerra do Iêmen e da repressão de dissidentes.

Macri busca aproximação cautelosa com Bolsonaro em ano eleitoral na Argentina

Parlamento do Reino Unido realiza votação histórica para decidir o futuro do país na União Europeia

Ex-ativista Cesare Battisti é entregue à Itália depois de 37 anos foragido

Na contramão de Trump, prefeito de Nova York cria programa de saúde para imigrantes ilegais

Êxodo, miséria e incertezas marcam início de novo mandato de Maduro na Venezuela

Entrevista na TV de líder de extrema direita condenado por racismo causa polêmica em Portugal

Com travessia mais segura, Espanha bate recorde de chegada de migrantes pelo Mediterrâneo

Posse de Bolsonaro terá segurança reforçada com detector de metais para público

Impasse sobre orçamento mantém paralisação de agências americanas