rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

Trump: fim de tratado nuclear com Moscou visa pressionar China

Por Alfredo Valladão

A Guerra Fria está de volta. A administração Trump decidiu ressuscitar a mesma lógica de enfrentamento à beira do abismo Mas a Rússia de hoje está longe de possuir o mesmo poderio internacional do urso soviético. E desta vez, na linha de mira, o adversário é a potência emergente chinesa.

Donald Trump anunciou que vai rasgar o tratado FNI, assinado em 1987 entre Washington e Moscou, que proíbe a produção e instalação de mísseis nucleares terrestres de alcance intermediário (entre 500 e 5.500 quilômetros).

O pretexto é que os russos não respeitam mais o acordo e continuam testando um míssil nuclear de cruzeiro que pode ameaçar todo o continente europeu. E que chegou a hora dos Estados Unidos enfrentar a ameaça relançando a produção deste tipo de armamento.

À primeira vista, parece um “remake” dos anos 1980, quando Moscou posicionou os foguetes intermediários SS-20 para apavorar a Europa ocidental. E que os americanos revidaram instalando na Alemanha mísseis do mesmo tipo, os Pershing II.

O objetivo da então gerontocracia soviética era dividir os aliados europeus dos Estados Unidos com armas atômicas que poderiam ser usadas numa ofensiva, sem que elas ameaçassem também o território americano. A ideia era convencê-los que uma guerra nuclear limitada ao Velho Continente era possível, sem que americanos e russos pudessem ser atingidos diretamente.

Uma pressão pesada para que alguns países ocidentais – e particularmente a Alemanha – abandonassem a fidelidade à Aliança Atlântica e se aproximassem da União Soviética.

 Manobras polٌíticas simbólicas

 O tiro saiu pela culatra. Os americanos conseguiram convencer seus aliados a posicionar os Pershing II, que ameaçavam diretamente o território russo, e a URSS vivia seus últimos estertores. O tratado FNI de 1987 e o lançamento da “Guerra das Estrelas” pelo presidente Ronald Reagan, acabaram por apressar a vitória dos Estados Unidos na Guerra Fria.

A economia soviética não tinha mais condições de manter uma corrida armamentista com a América. No frigir dos ovos, essa contabilidade macabra de mísseis atômicos não era mais do que manobras políticas simbólicas que encobriam um enfrentamento econômico.

A estratégia americana na Guerra Fria era, na verdade, um cerco econômico ao inimigo soviético que seria incapaz de aguentar a competição com o Ocidente. Hoje, Trump deixou claro que batota russa com os mísseis de cruzeiro era só um pretexto.

A China, que não é parte do tratado FNI, vem desenvolvendo e posicionando rapidamente esse tipo de arma para cobrir boa parte da Ásia-Pacífico – só os seus mísseis estratégicos de longo alcance ameaçam o território dos Estados Unidos. É uma maneira de tentar intimidar todas as forças americanas do Pacífico.

China na mira da Casa Branca

O objetivo dos hierarcas de Pequim é pressionar os países asiáticos vizinhos e estabelecer uma hegemonia regional à revelia do guarda-chuva de segurança americano. Daí a resposta da Casa Branca: sair do tratado FNI para poder, de novo, produzir e instalar foguetes de alcance intermediário, capazes de “conter” o avanço chinês. Mais uma vez, não se trata de guerra nuclear.

A administração Trump considera a China como o novo adversário principal, não só militar mas sobretudo econômico. A guerra comercial lançada por Trump contra a China é na realidade um cerco estratégico, como na época da Guerra Fria. E já começa a render dividendos: o crescimento chinês está freando e os problemas internos aumentando.

Em caso de corrida armamentícia séria, Pequim não tem condições de competir, por muito tempo, com uma economia americana em pleno boom e extremamente inovadora em matéria de alta tecnologia. O sucesso econômico chinês ainda depende muito do mercado americano e da tecnologia roubada na Califórnia.

Claro, os autocratas em Pequim e Moscou podem entrar em pânico com a perspectiva de serem, a prazo, mais uma vez vencidos pela arrogância da primeira potência mundial. Agora, com armas atômicas no meio, é só rezar para que nova Guerra Fria não acabe “esquentando”.

Opinião: Crise dos coletes amarelos pode paralisar a França por muito tempo

Opinião: reivindicação permanente de igualdade faz parte do DNA dos franceses

Movimento francês dos coletes amarelos revela onda de rejeição inédita no país

Política externa de governo Bolsonaro deve priorizar relações com países ricos

Opinião: Brasileiros viraram reféns de minorias extremistas que polarizaram a sociedade