rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Jussara Korngold: "Brasileiros contribuiram para entrada do espiritismo nos EUA"

Por Marcos Lúcio Fernandes

Acontece nos dias 13 e 14 de outubro, na França, o Congresso Espírita “Medicina, Ciência, Filosofia e Religião – Que futuro com o movimento espírita?”. Para falar sobre o assunto, a RFI conversou com a presidente da Federação Espírita dos Estados Unidos, Jussara Korngold, que fala sobre o desenvolvimento da doutrina no território norte-americano

Jussara Korngold explica que, nos Estados Unidos, houve dois grandes momentos para o espiritismo. “As raízes do espiritismo estão lá desde 1948, com as irmãs Fox. Depois, existiu uma grande migração de pessoas da América Latina na década de 20, 30, do século passado, que levaram um espiritismo caracteristicamente hispânico".

Mas foi em meadas da década de 80 houve que houve o que Jussara classifica de uma "invasão brasileira, que deu realmente um impulso muito grande”. Segundo ela, atualmente há cerca de 90 centros espíritas nos Estados Unidos.

Jussara afirma que os congressos que discutem espiritismo e medicina, como o que acontece em Paris, não param de se desenvolver, mostrando as passarelas existentes entre diferentes áreas. Ela traça, por exemplo, uma análise da ascensão de governos extremistas e retrógrados no mundo à luz da doutrina, que se baseia na ideia de evolução. Jussara lembra que faz parte do processo evolutivo pregado pelo movimento espírita as escolhas individuais – que são carregadas de responsabilidade. “Não podemos dizer que certas tendências mundiais são uma fatalidade, que já estava escrito. Não, nós estamos fazendo isso. É o povo que elege os políticos. É preciso que as pessoas se informem para que elas façam escolhas coerentes e não ficar na turma que reclama”.

Há sempre a possibilidade de escolher dois caminhos para chegar ao mesmo lugar, de acordo com Jussara Korngold, mas cada um tem os seus percalços. “Você pode ir pelo caminho que é correto, que pode não te dar imediatamente o que você precisa. E outro que vai te dar o que você quer imediatamente, mas você vai ter que lidar com as consequências”, declara.

"Cidadão de bem" ou "pessoa de bem"?

Quanto à questão moral, Jussara Korngold diferencia a noção de cidadão de bem, usada no Brasil por setores conservadores da sociedade, de “pessoa de bem”, segundo a doutrina espírita.

“Vamos tocar numa regra de ouro para diversos pensamentos religiosos e filosóficos, que é fazer ao outro aquilo que você queria que ele fizesse por você”, reflete. “É impressionante como uma frase tão simples pode ser extremamente abrangente. Só posso fazer aos outros o que faço a mim mesmo. Não posso amar aos outros se não amo a mim mesma. Tudo começa a partir de nós mesmos. Se eu não entendo que sou um ser humano falho, como terei compaixão por outras pessoas?”

 

“Uso da religião está sendo deturpado nas eleições", diz médium Divaldo Franco

“Minha música é um engajamento pela liberdade”, diz gaúcho radicado na França

“Apenas distanciamento histórico vai explicar o que deu errado no Brasil”, diz cineasta Filipe Galvon

"Brasileiros querem coisas novas, mesmo que elas piorem para depois melhorar", diz Luiz Olavo Baptista

Documentário sobre ocupação do prédio do IBGE durante Rio 2016 é lançado na França

“Brasil virou um território da burrice”, diz escritor Bernardo Carvalho

“Há uma crença de que um regime mais militarizado colocaria ordem no Brasil”, diz historiadora da USP

Campanha da extrema direita mergulha Brasil em momento regressivo, diz especialista em segurança

"Faremos políticas públicas de alto impacto e baixo custo", diz cocandidata da Bancada Ativista de SP

Bolsonaro é produto de "avacalhação" da democracia brasileira, diz analista

Tudo o que você precisa saber para votar nas eleições brasileiras de 2018 em Paris

“Eu quis mostrar o ciclo criminoso que persiste no sertão brasileiro”, diz cineasta Eduardo Morotó em Biarritz

“Era inimaginável ver alguém defendendo a volta da ditadura, como hoje no Brasil”, diz a cineasta Flávia Castro

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris