rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Recep Tayyip Erdogan Nicolás Maduro Turquia Venezuela

Publicado em • Modificado em

Erdogan visita Maduro em meio à crise política e econômica

media
O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, desembarcou no domingo na Venezuela para assinar acordos de cooperação com seu colega e aliado, Nicolás Maduro, informou o governo de Caracas. Miraflores Palace/Handout via REUTERS

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, realiza nesta segunda-feira (3) uma visita a Caracas para assinar acordos de cooperação com o seu homólogo e aliado venezuelano, Nicolás Maduro, que enfrenta uma severa crise econômica e um isolamento regional.


Em suas primeiras atividades públicas, o presidente turco depositou uma oferenda de flores no túmulo do venezuelano Simón Bolívar e depois participou de uma reunião de negócios com Maduro.

Os dois governantes preveem se reunir à tarde no palácio presidencial de Miraflores.

Erdogan foi ao Panteão Nacional, no centro de Caracas, na companhia da vice-presidente venezuelana, Delcy Rodríguez, e do vice-presidente de Economia, Tareck El Aissami, que o receberam em sua chegada ao país no domingo à noite, após participar da cúpula do G20 na Argentina.

Estreitamento das relações

As relações entre Venezuela e Turquia se estreitaram nos últimos anos, especialmente à medida que os Estados Unidos aumentaram a pressão sobre Maduro com sanções financeiras e individuais.

Erdogan aproveitou a visita para criticar "os ataques e sabotagens" contra o país petroleiro e afirmou que a "Turquia está ao lado da Venezuela nisso".

Sem mencionar os Estados Unidos, o presidente turco insistiu que "as restrições comerciais e as sanções estão erradas", e alertou que aprofundam as "instabilidades".

"Você não pode punir um povo inteiro para resolver desentendimentos políticos, sabe-se isso pelas experiências amargas do passado", disse Erdogan, segundo a tradução de um intérprete, em um fórum de negócios.

Crise política e tensão com Wasington

Ancara também mantém uma relação tensa com a Casa Branca, à qual pede a extradição do clérigo Fethullah Gülen, acusado por Erdogan de orquestrar o frustrado golpe de Estado de 2016.

A aproximação entre Erdogan e Maduro também cresceu no contexto da severa crise política e socioeconômica venezuelana.

Com a vital produção petroleira abalada, o governante socialista convidou a Turquia e os demais sócios internacionais a investirem na exploração de uma vasta reserva mineradora, conhecido como Arco del Orinoco (sul), com jazidas de ouro, diamante e coltan, entre outros.

Comércio bilateral

A troca comercial não petroleira entre os dois países ronda, este ano, os 800 milhões de dólares, segundo Caracas, cifra não desprezível em meio aos seus graves problemas de liquidez.

El Aissami também anunciou nesta segunda que empresários turcos têm a intenção de investir 4,5 bilhões de euros no país sócio da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Maduro diz ter grande admiração por Erdogan, particularmente pela mão de ferro que aplicou após a tentativa de golpe.

Em 8 de julho, Maduro foi à Turquia para assistir a posse de Erdogan, no poder desde 2003, para um novo mandato de cinco anos.

O chefe de Estado venezuelano assegurou naquela oportunidade que manteve reuniões de trabalho com investidores e empresários.

(Com informações da AFP)