rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Por que as ambições tecnológicas da China assustam o Ocidente?

Há quase seis meses, Estados Unidos e China enfrentam uma escalada de hostilidades no plano comercial. O governo americano acusa a China de práticas comerciais desleais, de roubo de tecnologia e de impedir o acesso de empresas estrangeiras ao mercado interno chinês. Já Pequim acredita que Washington protagoniza uma explícita manobra para tentar conter a ascensão chinesa no plano internacional. 

Luiza Duarte, correspondente da RFI em Hong Kong

Por trás das rodadas de tarifas sobre uma crescente lista de produtos, a China lidera uma corrida pelo domínio de tecnologias que deve revolucionar a indústria nos próximos anos e redefinir papéis no cenário geopolítico. O governo chinês identificou dez áreas, incluindo robótica, inteligência artificial e veículos elétricos, em que o país quer se tornar globalmente competitivo até 2025 e globalmente dominante durante este século. 

O programa batizado de “Made in China 2025” visa transformar o país em uma economia industrial avançada. Assim, a China está mobilizando empresas estatais, distribuindo subsídios, investindo em pesquisa e desenvolvimento e na aquisição de propriedade intelectual. Essa rápida expansão chinesa nos setores de alta tecnologia é vista pelo presidente americano, Donald Trump, e por outros líderes mundiais como uma ameaça.

Em um cenário onde mudanças econômicas dominadas pela automação e novas tecnologias estão em curso, Estados Unidos e China brigam pela supremacia tecnológica. Enquanto a escalada de imposições de tarifas se desenrola, as duas maiores potências mundiais travam uma batalha para assegurar a liderança global no domínio da economia digital, em direção da quarta Revolução Industrial.

Detenção de Meng Wanzhou

O caso envolvendo Meng Wanzhou, diretora financeira da gigante de eletrônicos Huawei - detida no Canadá acusada de infringir sanções econômicas impostas pelo governo americano ao Irã - levou a guerra comercial para um outro plano. A ação casou revolta na elite chinesa que agora pressiona o governo para uma retaliação mais violenta. Eles temem que essa seja apenas a primeira de outras represálias a empresas e investimentos chineses em solo americano.

A Huawei é a companhia chinesa que compete diretamente com a americana Apple. Ela está bem posicionada na corrida para estabelecer o 5G, criando uma vantagem para a China no domínio da nova geração de internet móvel, até 50 vezes mais rápida que atual. A nova rede pretende transformar a indústria e a sociedade, remodelando produtos e serviços. Dezenas de contratos assinados por essa empresa com provedores em diversos países, estão sendo acusados de oferecerem risco de interferência chinesa e espionagem.

Boicote liderado pelos EUA

Multiplicam-se os relatos de que os Estados Unidos estão se mobilizado para evitar que países aliados permitam a entrada de equipamentos e soluções de telecomunicações oferecidas por empresas chinesas. Austrália, Canadá, Nova Zelândia e Reino Unido estariam particularmente preocupados com segurança cibernética diante do avanço chinês no setor. A pressão tem levado países a debater soluções de big data calcadas em tecnologia estrangeira.

Nesse cenário particularmente negativo, Pequim sinalizou que está reformulando o “Made in China 2025” e que irá permitir maior acesso para empresas estrangeiras. Muitos vêem a medida como um movimento para acalmar os ânimos e não uma real reorientação das políticas do governo chinês. Ao mesmo tempo, conforme mais inovações são desenvolvidas dentro do próprio país, cresce a demanda interna por uma maior regulação da propriedade intelectual e a China vem fazendo isso, através da criação de tribunais especiais.

Reino Unido: imbróglio do Brexit e crise com Irã à espera do novo primeiro-ministro

Escândalo de corrupção envolvendo partido de Salvini e Rússia balança governo da Itália

Venezuela: crise econômica faz homicídios caírem porque armas custam caro demais

Nova presidente da Comissão Europeia quer continente neutro em carbono até 2050

Mercosul discute reformas internas para enfrentar concorrência europeia

Patrimônio da Unesco, Festival Naadam festeja séculos de tradição nômade na Mongólia

Campanha eleitoral começa na Argentina com Brasil e EUA reforçando apoio a Macri

Após aprovação de texto-base, deputados votam destaques que podem mudar reforma da Previdência

Para evitar gravidez precoce, projeto investe em visita de jovens jogadoras brasileiras à Holanda

Favorito, Johnson enfrenta Hunt em 1° debate na TV entre candidatos a premiê no Reino Unido

Terremotos na Califórnia reavivam medo de "Big One", tremor com consequências trágicas

ONGs aplaudem relatório da ONU sobre Direitos Humanos na Venezuela e pedem justiça

Mais de 1,4 milhão de refugiados vão precisar de reassentamento até 2020, diz agência da ONU

Central sindical argentina classifica acordo UE-Mercosul como “industricídio”

Prisão da capitã do navio "Sea-Watch 3" divide opinião pública da Itália

Com recusa de Salvini, navio humanitário Sea-Watch volta a águas internacionais

Foto de pai e filha mortos ressalta drama humano no debate sobre a imigração nos EUA