rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Baleias Japão

Publicado em • Modificado em

Japão desafia ambientalistas e retoma a caça às baleias

media
Caçadores de baleias japonesas mataram 122 baleias minke grávidas. Foto de arquivo. AFP PHOTO/YOSHIKAZU TSUNO

O Japão anunciou nesta quarta-feira (26) a sua retirada da Comissão Baleeira Internacional (CBI), com o objetivo de retomar a pesca comercial desse tipo de cetáceo a partir de julho de 2019, desafiando abertamente os defensores dos animais.


O governo japonês justificou a retomada da caça às baleias pela "ausência de concessões por parte dos países que se preocupam apenas com a proteção animal" e porque, segundo as autoridades do país, evidências científicas confirmam a abundância de certas espécies de baleias.

O anúncio atraiu críticas de grupos de proteção às baleias e de países da Oceania.  A Austrália informou ter ficado "extremamente desapontada".

O ministro das Relações Exteriores da Nova Zelândia, Winston Peters, enviou uma mensagem semelhante a Tóquio, denunciando "uma prática obsoleta e inútil".

"A decisão do Japão está fora de sintonia com a comunidade internacional e ignora a necessidade de proteger nossos oceanos e essas criaturas majestosas", disse Sam Annesley, chefe da filial japonesa do Greenpeace.

Em entrevista à RFI, François Chartier, do Greenpeace França, disse que “a prioridade, hoje, deveria ser de proteger essas espécies de diferentes ameaças, sendo que a caça é apenas uma delas”. Além disso, o ativista lembra que os japoneses consomem cada vez menos carne de baleia e “que o problema tem que ser visto sob uma perspectiva geopolítica em relação à CBI e de afirmação nacionalista no Japão”.

Já a americana Humane Society International (HSI) lamentou que o arquipélago "esteja se tornando uma nação pirata baleeira".

Membros do Partido Liberal Democrático (PLD), grupo conservador do primeiro-ministro Shinzo Abe, defendem "a riqueza dessa cultura", segundo as palavras do porta-voz do governo. "Esperamos que essa decisão passe para a próxima geração", disse Yoshihide Suga.

Além do Japão, Islândia e Noruega realizam a caça comercial de baleias.

Uma tradição secular

No Japão, a tradição da caça à baleia com arpão começou no século 12. E no século 17, se organizou como atividade comercial. No seu apogeu, nos anos 1950, 2.000 baleias desembarcavam nos portos japoneses todos os anos.

Em 1951, o Japão aderiu à Comissão Baleeira Internacional criada para proteger a população mundial desses animais. Porém, na prática, o arquipélago jamais extinguiu essa prática. Os japoneses continuaram a caçar baleias na Antártica devido a uma moratória, de 1986, que autoriza a atividade para pesquisas científicas.

Em 2014, a Corte Internacional de Justiça estabeleceu que o país deveria acabar com a caça regular de baleias nas águas antárticas. Entretanto, na última temporada, os pescadores japoneses mataram cerca de 600 baleias em expedições científicas na Antártica e no Pacífico.

Agora, segundo o governo japonês, a atividade será limitada às águas territoriais e à zona econômica japonesas.