rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Coreia do Norte e China iniciam 2019 com mensagens aos EUA

Por Luiza Duarte

Depois dos fogos e das celebrações, a Ásia dá inicio a um novo ano de delicadas relações diplomáticas em meio a uma guerra comercial entre China e Estados Unidos e a um processo de reaproximação entre as Coreias. Os discursos de Ano Novo do líder norte-coreano, Kim Jong-un, e do presidente chinês, Xi Jinping, dão algumas pistas do tom da política externa desses dois atores centrais na região.

Da correspondente em Hong Kong

Depois dos fogos e das celebrações, a Ásia dá inicio a um novo ano de delicadas relações diplomáticas em meio a uma guerra comercial entre China e Estados Unidos e a um processo de reaproximação entre as Coreias. Os discursos de Ano Novo do líder norte-coreano, Kim Jong-un, e do presidente chinês, Xi Jinping, dão algumas pistas do tom da política externa desses dois atores centrais na região.

Kim Jong-un fez um pronunciamento ao vivo na manhã desta terça-feira (1) que pôde ser visto até na televisão sul-coreana. Desde 2013, ele retomou a tradição iniciada por seu avô e líder fundador da Coreia do Norte, Kim il-sung, de fazer um discurso de Ano Novo. De terno e gravata, e não usando seu habitual duas peças de inspiração maoísta, ele afirmou que pretende melhorar as relações com os Estados Unidos (EUA) e que está pronto para encontrar novamente o presidente americano, Donald Trump, a qualquer momento. Trump já tinha dito que uma nova cúpula entre os dois países poderia acontecer antes de fevereiro, mas, por enquanto, nada foi confirmado.

Kim reforçou que declarações e acordos feitos na sequência do encontro com Trump, em Singapura, tinham como objetivo avançar rumo à desnuclearização completa da península coreana e que está comprometido com isso. “Não fabricaremos armas nucleares e não proliferaremos armas nucleares”, sublinhou. Mas fez um alerta sobre uma possível mudança de planos. “Se os EUA não cumprirem suas promessas feitas diante do mundo inteiro e insistirem em sanções e pressões sobre nossa República, podemos ficar sem outra opção senão considerar uma nova maneira de resguardar nossa soberania e nossos interesses.”
 
O líder norte-coreano também exigiu que a Coreia do Sul ponha fim "a todos os exercícios militares com outras potências estrangeiras". Uma reivindicação antiga do regime, que considera as manobras militares sul-coreanas com os americanos como um ensaio para uma invasão do Norte. O pedido coloca ainda mais pressão na aliança de defesa entre EUA e Coreia do Sul. Ao mesmo tempo, ele prometeu dar continuidade aos projetos de integração entre as Coreias e indicou que quer uma declaração de paz encerrando formalmente a Guerra da Coreia.

O regime de Pyongyang defende que fez sua parte para mostrar a sinceridade do compromisso com a desnuclearização, já que suspendeu testes balísticos e nucleares e desmantelou plataformas de lançamento. Além disso, Kim se diz pronto para destruir de forma permanente a principal instalação nuclear do regime, se a Casa Branca tomar medidas equivalentes. Já os EUA falam em aliviar as sanções somente quando a desnuclearizaçao for completa e verificável.

Cooperação sino-americana completa 40 anos

No discurso de Ano Novo, o presidente chinês, Xi Jinping, voltou a falar das reformas internas do país. Xi prometeu que elas não vão estagnar e disse que a China enfrenta desafios e vai se abrir mais para o mundo. Pequim vem sendo pressionada para melhorar as condições de acesso ao mercado chinês para empresas estrangeiras.

Em 2019, a República Chinesa completa 70 anos. Xi não falou da guerra comercial travada com os Estados Unidos e que tem como pano de fundo uma disputa pela hegemonia tecnológica no mundo.

Mas Xi e Trump trocaram mensagens de felicitações nessa virada de ano, uma vez que em 2019 a abertura de relações diplomáticas entre China e EUA completa 40 anos. O presidente chinês afirmou que a “história provou que a cooperação é a melhor escolha para os dois lados”. Disse ainda que as relações sino-americanas tiveram altos e baixos nas últimas décadas, mas que vivem um momento importante.

Macri busca aproximação cautelosa com Bolsonaro em ano eleitoral na Argentina

Parlamento do Reino Unido realiza votação histórica para decidir o futuro do país na União Europeia

Ex-ativista Cesare Battisti é entregue à Itália depois de 37 anos foragido

Na contramão de Trump, prefeito de Nova York cria programa de saúde para imigrantes ilegais

Êxodo, miséria e incertezas marcam início de novo mandato de Maduro na Venezuela

Entrevista na TV de líder de extrema direita condenado por racismo causa polêmica em Portugal

Com travessia mais segura, Espanha bate recorde de chegada de migrantes pelo Mediterrâneo

Posse de Bolsonaro terá segurança reforçada com detector de metais para público

Impasse sobre orçamento mantém paralisação de agências americanas