rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Prefeita curda de 31 anos dirige a reconstrução de Raqqa, ex-capital do EI na Síria

Por Adriana Moysés

A revista le Point traz esta semana o perfil de uma mulher admirável: a engenheira agronôma curda Leila Moustapha, de 31 anos, prefeita de Raqqa, a antiga capital do Estado Islâmico na Síria.

Leila fugiu de Raqqa, onde viveu desde pequena, em 2013, e retornou depois da expulsão dos jihadistas, em outubro de 2017. Ela foi escolhida para ser a prefeita da cidade por uma assembleia de 120 notáveis, o que é uma imensa demonstração de respeito na cultura árabe. Vestida como uma ocidental, calça jeans, salto alto, cabelos à mostra, a curda dedica sua energia para comandar um exército de homens envolvidos nas obras de reconstrução.

As condições de segurança em Raqqa ainda são bastante complicadas, conta Leila apagando um cigarro. A cidade registra atentados quase diariamente. Segundo relato da engenheira à Le Point, pequenos grupos de jihadistas ainda promovem execuções e ataques. A violência não vem só dos extremistas. Milicianos enviados pelo regime também matam civis para instigar a população a se revoltar contra os "ocupantes". Um terceiro protagonista espalha o terror: a Turquia, hostil ao anseio de independência e à autodeterminação dos curdos.

Em março passado, o vice-prefeito que assessorava Leila foi assassinado por cinco homens pagos pelo governo turco, que ofereceu US 100.000 de recompensa pelo crime. Os assassinos foram desmascarados e presos graças a um habitante que ouviu uma conversa do grupo. O vice-prefeito morto era uma peça-chave entre a comunidade curda e os sunitas.

Cabeça a prêmio

A prefeita tem consciência que sua cabeça também foi colocada a prêmio. Por isso, ela nunca dorme mais de uma noite no mesmo lugar e só anda num Toyota blindado, doado pelos americanos.

Leila sabe que sua vida só estará a salvo no dia em que puder construir a própria casa e morar dentro dela. Mas esse futuro ainda é longínquo. Até lá, a engenheira curda, infinitamente corajosa, continuará empenhada na reconstrução das 350.000 casas de Raqqa reduzidas a ruínas. Cerca de 80% da infraestrutura foi destruída e a cidade permanece sem eletricidade e telefone.

Mesmo assim, Leila não desanima. Sua obsessão é empregar os jovens nas obras, "para que eles não sejam seduzidos pelos jihadistas". Seu maior sonho? A reconstrução simbólica de uma das duas pontes sobre o rio Eufrates.

Os trabalhos avançam lentamente. Os moradores de Raqqa se viram como podem.

Milhares de dólares para mísseis, migalhas para a reconstrução

A reportagem da Le Point observa que os ocidentais não tiveram problemas para gastar US$ 13 milhões por dia em mísseis no auge da guerra contra os jihadistas. Mas soltam a conta-gotas os milhares de dólares prometidos para a reconstrução. A começar pelos Estados Unidos, que congelou os US$ 230 milhões inicialmente prometidos alegando falta de transição política em Damasco. Os franceses, conta um morador, visitam Raqqa, fazem anotações em cadernos e vão embora.

As marcas do terror estão em toda parte. O dono de um mercadinho conta à reportagem que tirou da cidade duas yazedis, uma adolescente de 16 anos e uma mulher de 24 anos, que os jihadistas mantiveram como escravas sexuais. Um dia, elas conseguiram fugir, bateram na porta dele e pediram que as matasse, para acabar com o calvário que viviam. Uma delas foi estuprada por 18 extremistas durante uma noite, revela o homem chorando. Ele ajudou as duas yazedis a fugir, transportando-as de carro até Kobané ao risco de sua própria vida.

A prefeita Leila prefere olhar para o futuro. Ela conta que em pouco mais de um ano já conseguiu montar oito hospitais, 13 clínicas menores e recrutar 400 professores. "E, claro, acabamos com os cursos de religião."

Primeiro trimestre do governo Bolsonaro é uma “bagunça”, diz revista francesa

Polícia francesa adota regras para abordagem e prisão de transgêneros

Revista francesa entrevista miliciano que mata para defender governo Maduro

Famílias rivais Bourbon e Orléans apoiam coletes amarelos apostando em retorno da monarquia na França

Índios contestam construção de muro de Trump em reserva na fronteira com o México

Revista francesa aponta motivos para temer nova crise financeira mundial

Revista francesa questiona se “casamento” entre Bolsonaro e Guedes vai funcionar

Revista francesa L’Express dá destaque aos novos “políticos extravagantes” do Brasil

Briga por terras indígenas no Brasil esconde catástrofe ecológica na Amazônia

Livreiro espalha ursos de pelúcia em bairro de Paris e cria laços entre vizinhos

Revista conta como artistas húngaros vivem com a política repressiva de Orban

Figurinos de Jean Paul Gaultier para Portela já despertam interesse dos franceses