rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Canadá Asilo Arábia Saudita Adolescente Fuga Ameaça

Publicado em • Modificado em

Adolescente que fugiu da Arábia Saudita consegue asilo no Canadá

media
Rahaf Mohammed al-Qunun (foto de arquivo) afirma que deseja escapar de um casamento forçado em seu país, a Arábia Saudita. @rahaf84427714/via REUTERS

A garota saudita que fugiu para a Tailândia e afirma estar em perigo de morte se retornar para sua família, na monarquia árabe, recebeu asilo do Canadá, segundo anunciou nesta sexta-feira (11) à Reuters o chefe da Imigração tailandesa.


Rahaf Mohammed al Qunun, de 18 anos, embarcará nesta sexta à noite a bordo de um voo da Korean Air para Seul, de onde ela deve pegar um avião para o Canadá, disse Surachate Hakpark, chefe da Imigração da Tailândia.

Contactada pela Reuters, a chancelaria canadense disse, no entanto, que era incapaz de confirmar esta informação.

A adolescente saudita se trancou no início desta semana em um quarto de hotel do aeroporto de Bangkok para evitar sua extradição para a Arábia Saudita, onde ela alega que sua família ameaça matá-la.

Ela disse que fugiu de sua família em uma viagem no Kuwait e tomou a direção da Tailândia na esperança de conseguir asilo na Austrália.

Saída das redes sociais

Nesta sexta-feira (11), a adolescente suspendeu sua conta no Twitter, através da qual ela conseguiu sensibilizar um multidão de internautas, de diversos países. Seus amigos dizem que ela recebeu "ameaças de morte".

A fuga de Rahaf Mohammed al-Qunun, de 18 anos, do reino ultraconservador, mobilizou organizações de direitos humanos, quando as autoridades tailandesas inicialmente ameaçaram mandá-la para casa.

Detida a partir de sua chegada em Bangcoc, em rota do Kuwait, a jovem, armada com o seu celular e uma conta no Twitter, abruptamente aberta, se trancou em um quarto de hotel no aeroporto, forçando as autoridades tailandesas a tomarem providências fora do padrão.

A polícia de imigração tailandesa entregou-a então aos representantes do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).