rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Carlos Ghosn Julgamento Prisão Economia Imprensa

Publicado em • Modificado em

Presidente da Nissan nega complô contra Ghosn e defende aliança com Renault

media
A imprensa francesa fala sobre Carlos Ghosn, com uma entrevista exclusiva do presidente da Nissan. REUTERS/Kim Kyung-Hoon

Desde a detenção surpresa de Carlos Ghosn no dia 19 de novembro, em Tóquio, as especulações são muitas a respeito do destino do até então poderoso executivo e da aliança das montadoras Renault, Nissan e Mitsubishi Motors.


Em entrevista exclusiva ao jornal econômico francês Les Echos na edição desta terça-feira (15), o presidente da Nissan, Hiroto Saikawa, analisa a situação.

O franco-libanês brasileiro Carlos Ghosn já foi retirado dos conselhos de administração da Nissan e da Mitsubishi, mas continua na presidência da francesa Renault.

A aliança Renault-Nissan-Mitsubishi foi o grupo que mais vendeu automóveis no primeiro semestre de 2017, à frente da Volkswagen AG, Toyota e General Motors.

Diante do escândalo envolvendo Ghosn, acusado no Japão de ter dissimulado rendimentos e ter feito malversação de fundos, qual o futuro da aliança entre a montadora francesa e as duas japonesas?

Hiroto Saikawa diz, na entrevista, que a aliança é crucial e garante a sua continuidade. Ele conta que participou da concepção do grupo há quase 20 anos.

“Cresci com ela e hoje, mais do que nunca, estou convencido de que a aliança é uma vantagem competitiva chave para as nossas empresas”, diz. “É ela que nos permitiu rivalizar com as gigantes da indústria automobilística.

Trabalhamos com respeito mútuo e não há rigorosamente nenhum motivo para duvidar de sua continuidade”, garante.

O executivo japonês se diz “profundamente chocado” com a prisão de Ghosn. “Ainda não consigo acreditar no que aconteceu”, conta. “Trabalhei muitos anos com Carlos Ghosn, atravessamos períodos difíceis juntos e aprendi muito ao seu lado.

Foi um líder exemplar que conseguiu salvar a Nissan e colocar a companhia nos trilhos”. Mas ele pondera que as revelações sobre Ghosn são “graves e contrárias à ética”.

Saikawa refuta as especulações de que a queda de Ghosn teria sido um complô. “É um absurdo e não entendo que as pessoas possam acreditar nisso! Vejam os fatos. São graves. Fui o primeiro a ficar chocado com o que as investigações revelaram”, argumenta. “Não é fácil aceitar moralmente todos os fatos.

As consequências das auditorias internas e das investigações pesam sobre toda a organização”, diz o presidente da Nissan.