rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Nova geração de ativistas mudou as regras da militância

Por Silvano Mendes

As revistas francesas L’Obs e Aujourd’hui en France Week-End trazem em suas edições desta semana reportagens de capa sobre o engajamento atual dos jovens pelas causas ambientais, pela democracia e pela luta contra a desigualdade. Em pleno movimento de greve mundial pelo clima, as publicações traçam um perfil dessa geração “mobilizada e criativa”, decidida a se encarregar de nosso destino em todos os âmbitos da sociedade.

As reportagens contam como a nova geração de militantes vem se organizando para defender suas causas. O exemplo mais conhecido é o da sueca Greta Thunberg, de 16 anos, que ganha um perfil de duas páginas em ambas as publicações e é chamada pela L’Obs de “ícone da primavera climática”. Mas a revista também apresenta nomes como Boyan Slat, holandês de 24 anos que luta pela proteção dos oceanos, o francês Jérôme Jarre, 29 anos, que milita pela sobrevivência da minoria Rohingya, ou ainda a americana Jazz Jennings, 18 anos, que defende a causa das pessoas trans, sua compatriota Yara Shahidi, 18 anos, que faz campanha contra o abstencionismo nas urnas nos Estados Unidos.

Como ressalta L’Obs, uma das particularidades desses novos ativistas é o fato de que, ao contrário dos mais velhos, eles ultrapassaram a luta de gerações que marcou os protestos juvenis de seus pais. “Não temos tempo a perder tentando encontrar os responsáveis. Nós não estamos em busca deum arrependimento dos mais velhos. Queremos apenas que se unam a nós”, explica à revista Martial Breton, militante de 23 anos e um dos organizadores da marcha realizada na sexta-feira, 15 de março na França.

O sociólogo Laurent Lardeux comenta nas páginas da L’Obs que os jovens das gerações passadas procuravam uma forma de liberação diante das amarras impostas pelos mais velhos. “Os jovens de hoje pedem uma certa disciplina. Uma reivindicação com uma pitada de nostalgia diante de um mundo que eles sabem que está desaparecendo”, analisa.

Representação feminina e independência partidária

“O que mais chama a atenção entre esses militantes é a importante representação das mulheres”, ressalta por sua vez Aujourd’hui en France Week-End. A revista cita, além de Greta Thunberg, a militante anti-armas Emma Gonzalez, a prêmio Nobel da Paz Malala Yousafzai, ou ainda a defensora do veganismo Genesis Butler. Segundo a revista, as passeatas atuais contam com uma maioria de meninas, o que a reportagem atribui a um impacto do movimento #MeToo.

Além disso, ambas as revistas lembram que esses novos ativistas abraçam suas causas longe dos partidos ou dos sindicatos. “Ao contrário dos clichês, os jovens não são desconectados da política. Eles apenas são politizados de outra maneira, fora do âmbito institucional da política”, explica a socióloga Anne Muxel à revista Aujourd’hui en France Week-End.

Surfar no metrô de Paris diante da Torre Eiffel virou moda entre jovens aventureiros

Papa Francisco trava batalha contra grupo de milionários americanos que bloqueiam reformas na Igreja

Mais ecológico e disposto a rever lei do asilo, “novo Macron” mira eleitores de Le Pen

TV e rádio públicas francesas ampliam tempo de programação para meio ambiente

Amazônia: especialistas franceses debatem princípios de justiça climática

Equipamento "revolucionário" de radioterapia entusiasma oncologistas franceses

Bilionário legendário de Wall Street investe toda a sua fortuna em tecnologias limpas

Bióloga brasileira denuncia tensões ideológicas na universidade após eleição de Trump

Ambição expansionista da China passa pela conquista dos portos mundiais, diz revista Le Point

Morte de Marielle continua pairando na vida política do Brasil, diz revista francesa

Ortopedista russo faz algumas crianças com paralisia cerebral recuperar movimentos na Espanha

Manifesto de 50 médicos, magistrados e políticos pede legalização da maconha na França

Ao atacar universidade, Bolsonaro visa uma juventude que lhe é hostil, diz Safatle

Técnica da seleção francesa de futebol visa troféu e não dá bola para sexismo