rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Aviação Acidente

Publicado em • Modificado em

Caixas-pretas de avião da Ethiopian confirmam semelhanças com acidente da Lion Air

media
Cerimônia durante funeral coletivo das vítimas da catástrofe foi realizada na capital da Etiópia REUTERS/Tiksa Negeri

Os dados das caixas-pretas do Boeing 737 MAX 8, que caiu em 10 de março a leste de Adis-Abeba, matando 157 pessoas, mostram "semelhanças claras" com a queda, em outubro, de um avião do mesmo modelo pertencente à companhia Lion Air. O anúncio foi feito neste domingo (17) pela ministra etíope dos Transportes.


"Durante a análise da caixa que registra os dados do voo (FDR-Flight data recorder), foram observadas semelhanças claras entre o voo 302 da Ethiopian Airlines e o voo 610 da Lion Air", afirmou a ministra Dagmawit Moges em coletiva de imprensa. Ela não enumerou as semelhanças entre os acidentes, mas informou que o relatório preliminar sobre as causas do acidente na Etiópia será publicado em 30 dias. As caixas-pretas estão sendo analizadas em Paris pela Agência de Investigação e Análise para a Segurança da Aviação Civil Francesa (BEA).  

O avião da Lion Air caiu em outubro, no litoral da Indonésia, com 189 ocupantes, que não sobreviveram. O acidente com o voo 302 da Ethiopian Airlines deixou 157 mortos, de 35 nacionalidades. Esse foi o segundo acidente com o mesmo modelo de avião em cinco meses.

Especialistas afirmam que, apesar dos dois acidentes terem acontecido em pouco espaço de tempo, ainda é cedo para tirar conclusões sobre possíveis falhas técnicas do fabricante. Por medida de segurança, a maioria dos países que operam com esse modelo da fabricante americana suspenderam o uso de seus aviões até obterem esclarecimentos sobre o acidente.

As entregas do 737 MAX 8 pela Boeing estão suspensas. Pelo menos 370 aeronaves dessa família voavam pelo mundo.

Uma semana após a tragédia, centenas de pessoas participaram neste domingo (17) de uma homenagem póstuma a 17 vítimas etíopes da catástrofe aérea. Os caixões de oito tripulantes e de nove passageiros do Boeing 737-800 MAX estavam cobertos com a bandeira etíope, na cerimônia realizada na catedral da Santíssima Trindade da capital Addis Abeba.