rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Japão Imperador Família Imperial

Publicado em • Modificado em

Do abandono da carreira de diplomata à depressão nervosa: a atormentada vida de Masako, a nova imperatriz do Japão

media
O Príncipe Herdeiro do Japão, Naruhito (esquerda) e a princesa Masako, chegam ao Palácio Imperial, em Tóquio, onde o Imperador Akihito abdicou. 30 de abril de 2019. REUTERS/Kim Kyung-Hoon

O imperador japonês Akihito cedeu, nesta terça-feira (30), o trono ao filho Naruhito, após mais de 30 anos de reinado. Por trás da mudança de líder e de era - da Heisei à Reiwa -, está a complexa vida de Masako, conhecida como "a princesa triste". A partir de quarta-feira (1°) ela se tornará a nova imperatriz do Japão.


Uma vida de princesa pode parecer um destino promissor na visão de muitos, mas essa não é a realidade de Masako Owada. Nascida em 1963 em Tóquio e filha do vice-embaixador do Japão nos Estados Unidos, a japonesa passou boa parte de sua infância e adolescência no exterior. Poliglota, estudiosa e ambiciosa, a garota se preparava para uma carreira brilhante, até conhecer o príncipe Naruhito.

O sonho da jovem que desejava ser ministra das Relações Exteriores do Japão parece se concretizar pouco a pouco durante sua juventude. Em 1981, Masako é aceita na Escola de Economia de Harvard, nos Estados Unidos, onde impressiona os professores com sua inteligência e dedicação. Na prestigiosa universidade americana, recebe um diploma com menção honrosa, em 1985, e resolve continuar sua formação na Faculdade de Direito de Tóquio.

Um ano depois, o sonho parece estar prestes a se tornar realidade: Masako integra uma seleta lista para a entrada no Ministério das Relações Exteriores do Japão. Mas um envelope, com o símbolo do crisântemo real japonês, causa uma reviravolta no destino da jovem.

Masako é convidada para uma recepção no palácio imperial, oficialmente em homenagem à infanta Elena da Espanha. Na prática, o evento também serve para encontrar possíveis candidatas a se casar com o príncipe Naruhito que, aos 27 anos, preocupa a família real: o jovem não dá ares de querer se casar e ter filhos, como manda a tradição.

O nome de Masako teria sido adicionado à lista de pretendentes na última hora. Ela teria sido indicada por um ex-embaixador japonês na União Soviética, que conhecia o pai da jovem. A inteligência e independência da jovem conquista Naruhito, que acredita que Masako pode ser, no futuro, uma imperatriz moderna.