rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Extinção em massa ameaça 1 milhão de espécies vivas no mundo

Por Lúcia Müzell

O relatório mais completo dos últimos 50 anos sobre o estado de conservação da natureza no mundo foi divulgado nesta segunda-feira (6), em Paris, pela Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES), das Nações Unidas. O documento afirma que uma destruição de espécies animais e vegetais “sem precedentes” está em curso: 1 milhão de seres vivos estão ameaçados.

“Desde que o homem existe, já houve extinções como essa. Mas será que estamos entrando na sexta grande extinção?”, afirma a antropóloga Manuela Carneiro da Cunha, uma das maiores especialistas em povos indígenas do Brasil e que participou da cúpula, realizada na Unesco.

A última vez em que um número tão elevado de seres vivos foi exterminado ocorreu há 65 milhões de anos, com o fim dos dinossauros. Desde o século 17, os estudos e a documentação sobre o tema são abundantes. “É bastante assustador porque a extinção se acelerou muito nos últimos 50 anos. Não significa que não existisse antes – o homem sempre teve um ‘problema’ para conservar a natureza. Mas há uma aceleração evidente do ritmo da devastação.”

Mudanças possíveis

No lançamento do documento, o presidente do IPBES, Robert Watson, ressaltou que, ao destruir os ecossistemas, o homem “está acabando com os fundamentos da sua própria economia, seus meios de subsistência, segurança alimentar, saúde e qualidade de vida”. Ele indica que o desmatamento, a agricultura intensiva, a pesca excessiva, a urbanização desmedida e a extração mineral “alteram gravemente” 75% do meio ambiente terrestre e 66% do ambiente marinho. As mudanças climáticas e a poluição também são fatores que interferem nesse cenário de destruição.

Mas o relatório ressalta que a natureza ainda pode ser conservada e regenerada, desde que uma “mudança profunda” seja implementada na sociedade, destacou Watson. “Ainda existe possibilidade de mudança, mas já estamos atrasados. Ou passamos para a ação, ou vamos perder esse bonde”, afirmou Carneiro da Cunha. “Precisamos de mudanças no modo de fazer comércio e de explorar os recursos. Uma mudança estrutural.”

Conhecimento dos índios valorizado

Uma particularidade desse relatório é que incorpora o conhecimento de povos indígenas e comunidades locais sobre o estado de preservação da natureza. “Há estudos que mostram que esses povos manejam mais de um quarto as áreas terrestres. Esse conhecimento tradicional foi incorporado aos estudos científicos”, diz a antropóloga. "O Brasil não só é o maior de todos os países em biodiversidade como em sociodiversidade, e já se mostrou que há uma ligação entre as duas. O fato de termos tantas etnias indígenas e tantas línguas indígenas é desperdiçado."

O relatório é resultado de três anos de pesquisas de mais de 450 cientistas, de 130 países. Eles apontam que, entre as ferramentas para enfrentar o problema da devastação, o sistema agroalimentar está em primeiro plano. Será necessária uma transformação da produção agrícola para métodos mais sustentáveis, a fim de alimentar 10 bilhões de pessoas em 2050.

O documento indica, por exemplo, os efeitos negativos para a natureza do consumo de carne e produtos derivados no leite, mas não pede para que haja uma redução do consumo.

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura

Vik Muniz: “Depois do modernismo, virou tabu falar de religião em arte”

Monólogo de ator brasileiro em Avignon resgata canções desconhecidas de Pasolini, entre erotismo e engajamento

Ricupero: Bolsonaro nomear filho embaixador nos EUA “é chocante e sem precedentes”

Rodrigo Ferreira: dos templos evangélicos no Brasil à cena lírica internacional

“O combate à corrupção no Brasil é uma mentira”, diz sociólogo Jessé Souza

Christiane Jatahy em Avignon: “Há no Brasil um pensamento ditatorial para calar a diferença”

“ONU está em alerta para acolher defensores de direitos humanos do Brasil”, diz deputada Renata Souza

“Lutamos tanto para conquistar um pouco de direitos humanos e a gente vai retirar isso?” questiona Marcelo D2 em entrevista em Paris

Acordo UE e Mercosul não é motivo para ufanismo em queda de preços, diz ex-embaixador Graça Lima

Tecnologias do semiárido brasileiro podem ajudar a alimentar imigrantes venezuelanos na Colômbia

"Governo de divisão social, oposto dos anteriores", diz autor de livro sobre Bolsonaro

Advogada do Consulado em Los Angeles analisa situação de brasileiros sem documentos nos EUA

"O ator precisa ter cartas na manga", diz Letícia Spiller sobre carreira de cantora

Brasil não é um dos países que mais usa agrotóxicos, isso é “balela”, diz ministra Tereza Cristina

“Bolsonarismo é uma articulação de radicalismo liberal com autoritarismo social”, diz professor da UERJ

Intolerância a valores progressistas pode impactar na publicidade, diz pesquisadora