rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Nobel de Economia vai para francesa, indiano e americano por estudos de combate à pobreza
Linha Direta
rss itunes

China x EUA: guerra comercial de longo prazo é desafio para investidores

Por Luiza Duarte

Negociadores da China e dos EUA devem se reunir na quinta (9) e sexta-feira (10), em Washington, para mais uma rodada de negociações. A guerra comercial entre as duas maiores potências do mundo dura mais de um ano e impôs mais de US$360 bilhões em tarifas sobre bens que circulam entre os dois países.

Da correspondente da RFI em Hong Kong

A China chegou a dizer que estava desconsiderando a ida do vice-primeiro ministro chinês, Liu He, para a capital americana. Ele é o principal negociador chinês e lidera uma grande delegação para esta que estava sendo considerada como a última rodada de negociações antes de um acordo entre China e Estados Unidos.

No domingo (5), pelas redes sociais, o presidente americano, Donald Trump, ameaçou aumentar de 10% a 25% as tarifas sobre US$200 bilhões em produtos chineses. O novo pacote entra em vigor na sexta-feira (10), mas os americanos sinalizaram que a medida pode ser descartada “se as negociações voltarem aos trilhos”. Em fevereiro, Trump voltou atrás sobre a aplicação de um pacote semelhante contra a China.

O anúncio fez com que bolsas de valores fechassem em queda no início da semana. A perspectiva de uma guerra comercial de longo prazo é um desafio para investidores e pode levar Pequim a tomar decisões difíceis, diante da desaceleração da economia do país.

Mudanças em pouco tempo

O posicionamento americano no final de abril era de que as negociações tinham entrado em fase final para um esperado acordo para recalibrar a relação econômica. As especulações de que de fato um acerto estaria próximo ganharam força depois da visita do secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, e do representante de Comércio americano, Robert Lighthizer, a Pequim, na semana passada. Porém, o recente anúncio de novas taxas parece ter esfriado o clima. O gesto gerou incerteza e foi classificado por analistas na imprensa chinesa como contra produtivo.

Os chineses criticam os ruídos nas mensagens da administração americana. Mensagens conflitantes têm sido interpretadas como um descompasso entre a visão de Trump e a de seus analistas sobre como lidar com Pequim e quais as condições para um acordo. Um compromisso que agora parece que vai levar mais tempo para ser alcançado. Há sinais de que a China está preparando uma visita oficial do presidente chinês, Xi Jinping, aos Estados Unidos em junho e que nessa ocasião um possível acordo seria assinado.

Liu He está sendo esperado em Washington liderando uma grande delegação, mas encurtou a visita, vai chegar no dia em que o encontro acontece e ficar apenas dois dias em solo americano. Na segunda-feira (6), o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Geng Shuang, colocou panos quentes dizendo que os Estados Unidos já ameaçaram elevar tarifas outras vezes e confirmou a visita.

Guerras em outras frentes

Está em curso uma complexa disputa entre os dois países no setor de tecnologia, que envolve retaliações jurídicas, lobby, espionagem industrial e até prisões, em uma batalha por controle de mercado e influência global. O acerto de contas entre os as duas maiores potências mundiais ultrapassa a esfera comercial. Mesmo o intercâmbio de acadêmicos e estudantes já foi afetado.

Em meio aos preparativos para essa nova rodada de negociações, os Estados Unidos estão conduzindo uma nova operação de “liberdade de navegação”, no Mar do sul da China, onde o gigante asiático está envolvido em disputas territoriais. A presença de embarcações militares americanas na região sempre desagrada Pequim e gera atrito.

A reação da diplomacia chinesa foi imediata. A China reforçou que os Estados Unidos devem parar com ações provocativas e que os navios americanos na região violam a soberania chinesa e prejudicam a paz e a estabilidade.

 

 

Partido ultraconservador vence eleição na Polônia e prosseguirá reformas controvertidas

Alemanha: autor de ataque contra sinagoga afirma ter sido motivado por ideias de extrema direita

Briga por processo de impeachment pode fortalecer a reeleição de Trump

Postura instável de Trump no norte da Síria ameaça futuro de curdos e pode fortalecer grupo EI

Papa Francisco condena "proselitismo religioso que força conversões" na Amazônia

Com coalizão "Geringonça", socialista António Costa desponta como vencedor do pleito em Portugal

Assassinato de jornalista saudita completa um ano sem punição e sem corpo

Manifestante é ferido a tiros em Hong Kong em protesto contra festa da China comunista

Catedral de Manaus celebra missa para religiosos que irão ao Sínodo do Vaticano

Maioria no Senado americano, republicanos não temem ameaça de impeachment

Derrubada de vetos de Bolsonaro à Lei de Abuso de Autoridade fortalece Congresso, diz presidente do Senado

Secretário-geral da ONU nega ter vetado Brasil e outros países na Cúpula do Clima

Alemanha declara guerra aos carros SUVs por poluírem e ocuparem muito espaço em estacionamentos

Escolha de Christine Lagarde para comando do Banco Central Europeu é polêmica

Após meses de atrito, Macron vai à Roma tentar reaproximação com a Itália