rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Dois meses após legislativas de abril, Parlamento de Israel convoca novas eleições

Israel voltará às urnas em 17 de setembro. A decisão foi aprovada nesta quinta-feira (30) à meia noite, por 74 votos contra 45, após três votações-relâmpago no Knesset, o Parlamento israelense. A decisão inédita foi tomada menos dois meses depois das últimas eleições, em 9 de abril.

Daniela Kresch, correspondente da RFI em Tel Aviv

No poder há 10 anos consecutivos, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu cantou vitória depois que seu partido, o Likud, recebeu 35 das 120 cadeiras do Knesset no pleito. Mesmo empatando com o partido novato centrista “Azul e Branco”, ele era o parlamentar que tinha mais chance de formar um governo, já que o bloco de partidos de direita recebeu mais votos do que o bloco de esquerda.

Mas, se Netanyahu pensou que seria fácil costurar uma nova coalizão de governo com partidos de direita, ele errou. Todos os prazos expiraram e ele não conseguiu.

Na quarta-feira (29), em um dos dias mais intensos da política nacional desde a criação do país, Netanyahu tentou todos os truques políticos possíveis para resolver o imbroglio político. Mas ele parece ter perdido um pouco de seu toque de midas político e fracassou.

Ele se deparou com um rival político à altura, outro veterano da política nacional, o ex-ministro da Defesa e ex-chanceler Avigdor Lieberman, do partido ultranacionalista Israel Nossa Casa. Lieberman obteve apenas cinco cadeiras nas urnas, mas virou o fiel da balança para a formação de um novo governo. Sem ele, Netanyahu não tinha as 61 cadeiras necessárias para criar e manter uma coalizão sustentável.

Lei do Alistamento

Lieberman aproveitou a força repentina para exigir a aprovação de uma lei que seu eleitorado e todos os israelenses não religiosos gostariam de ver aprovada um país onde onde o debate sobre a influência da religião na política é cada vez mais latente.

Trata-se da Lei do Alistamento, que prevê alistamento militar de grande parte dos jovens ultraortodoxos. O serviço militar é obrigatório em Israel, mas os ultraortodoxos – extremamente religiosos – discordam e acreditam que estudar os livros sagrados é mais importante do que fazer parte das Forças de Defesa de Israel (FDI).

Netanyahu contava com esse novo governo para outra questão: a aprovação de uma imunidade política contra um iminente indiciamento dele em três casos de corrupção. Agora, terá que enfrentar outra campanha eleitoral para se manter no poder.

Mercosul discute reformas internas para enfrentar concorrência europeia

Patrimônio da Unesco, Festival Naadam festeja séculos de tradição nômade na Mongólia

Campanha eleitoral começa na Argentina com Brasil e EUA reforçando apoio a Macri

Após aprovação de texto-base, deputados votam destaques que podem mudar reforma da Previdência

Para evitar gravidez precoce, projeto investe em visita de jovens jogadoras brasileiras à Holanda

Favorito, Johnson enfrenta Hunt em 1° debate na TV entre candidatos a premiê no Reino Unido

Terremotos na Califórnia reavivam medo de "Big One", tremor com consequências trágicas

ONGs aplaudem relatório da ONU sobre Direitos Humanos na Venezuela e pedem justiça

Mais de 1,4 milhão de refugiados vão precisar de reassentamento até 2020, diz agência da ONU

Central sindical argentina classifica acordo UE-Mercosul como “industricídio”

Prisão da capitã do navio "Sea-Watch 3" divide opinião pública da Itália

Com recusa de Salvini, navio humanitário Sea-Watch volta a águas internacionais

Foto de pai e filha mortos ressalta drama humano no debate sobre a imigração nos EUA

Novas sanções dos EUA ao Irã devem secar entrada de dinheiro no país

Sucesso eleitoral da extrema direita colabora com clima de terror na Alemanha

Brasil apoia candidato chinês para substituir Graziano na liderança da FAO

Michelle Bachelet se encontra com Maduro e Guaidó durante visita à Venezuela

Boris Johnson é favorito em nova votação para definir sucessor de Theresa May