rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Dois meses após legislativas de abril, Parlamento de Israel convoca novas eleições

Israel voltará às urnas em 17 de setembro. A decisão foi aprovada nesta quinta-feira (30) à meia noite, por 74 votos contra 45, após três votações-relâmpago no Knesset, o Parlamento israelense. A decisão inédita foi tomada menos dois meses depois das últimas eleições, em 9 de abril.

Daniela Kresch, correspondente da RFI em Tel Aviv

No poder há 10 anos consecutivos, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu cantou vitória depois que seu partido, o Likud, recebeu 35 das 120 cadeiras do Knesset no pleito. Mesmo empatando com o partido novato centrista “Azul e Branco”, ele era o parlamentar que tinha mais chance de formar um governo, já que o bloco de partidos de direita recebeu mais votos do que o bloco de esquerda.

Mas, se Netanyahu pensou que seria fácil costurar uma nova coalizão de governo com partidos de direita, ele errou. Todos os prazos expiraram e ele não conseguiu.

Na quarta-feira (29), em um dos dias mais intensos da política nacional desde a criação do país, Netanyahu tentou todos os truques políticos possíveis para resolver o imbroglio político. Mas ele parece ter perdido um pouco de seu toque de midas político e fracassou.

Ele se deparou com um rival político à altura, outro veterano da política nacional, o ex-ministro da Defesa e ex-chanceler Avigdor Lieberman, do partido ultranacionalista Israel Nossa Casa. Lieberman obteve apenas cinco cadeiras nas urnas, mas virou o fiel da balança para a formação de um novo governo. Sem ele, Netanyahu não tinha as 61 cadeiras necessárias para criar e manter uma coalizão sustentável.

Lei do Alistamento

Lieberman aproveitou a força repentina para exigir a aprovação de uma lei que seu eleitorado e todos os israelenses não religiosos gostariam de ver aprovada um país onde onde o debate sobre a influência da religião na política é cada vez mais latente.

Trata-se da Lei do Alistamento, que prevê alistamento militar de grande parte dos jovens ultraortodoxos. O serviço militar é obrigatório em Israel, mas os ultraortodoxos – extremamente religiosos – discordam e acreditam que estudar os livros sagrados é mais importante do que fazer parte das Forças de Defesa de Israel (FDI).

Netanyahu contava com esse novo governo para outra questão: a aprovação de uma imunidade política contra um iminente indiciamento dele em três casos de corrupção. Agora, terá que enfrentar outra campanha eleitoral para se manter no poder.

Elizabeth Warren desponta como a pré-candidata preferida dos democratas

Turquia ignora sanções dos EUA e promete intensificar ataques no norte da Síria

Partido ultraconservador vence eleição na Polônia e prosseguirá reformas controvertidas

Alemanha: autor de ataque contra sinagoga afirma ter sido motivado por ideias de extrema direita

Briga por processo de impeachment pode fortalecer a reeleição de Trump

Postura instável de Trump no norte da Síria ameaça futuro de curdos e pode fortalecer grupo EI

Papa Francisco condena "proselitismo religioso que força conversões" na Amazônia

Com coalizão "Geringonça", socialista António Costa desponta como vencedor do pleito em Portugal

Assassinato de jornalista saudita completa um ano sem punição e sem corpo

Manifestante é ferido a tiros em Hong Kong em protesto contra festa da China comunista

Catedral de Manaus celebra missa para religiosos que irão ao Sínodo do Vaticano

Maioria no Senado americano, republicanos não temem ameaça de impeachment

Derrubada de vetos de Bolsonaro à Lei de Abuso de Autoridade fortalece Congresso, diz presidente do Senado

Secretário-geral da ONU nega ter vetado Brasil e outros países na Cúpula do Clima

Alemanha declara guerra aos carros SUVs por poluírem e ocuparem muito espaço em estacionamentos