rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

"Ocidente deveria pressionar a China por mais democracia", diz líder exilado após massacre na Praça da Paz Celestial

O Massacre da Praça da Paz Celestial, em Pequim, completa 30 anos nesta terça-feira (4). A imagem do homem que desafia uma fileira de tanques na principal praça da capital chinesa é um emblemático registro do século XX. As manifestações de estudantes e trabalhadores pedindo reformas democráticas e mais liberdades foram reprimidas de forma sangrenta. Passadas três décadas, esse importante episódio da história recente do país asiático segue sendo censurado.

Luiza Duarte, correspondente da RFI em Hong Kong

 

Relembrar o massacre da Praça da Paz Celestial (Tiananmen) na China é um gesto de resistência na China. O tema tem forte carga política. Nos dias que antecedem o aniversário, a vigilância sobre ativistas, sobreviventes, familiares de vítimas, advogados e jornalistas é reforçada. Qualquer referência à imagem do “homem dos tanques”, à data de 4 de junho de 1989, aos protestos ou ao massacre seguem banidos no país e na internet chinesa.

 

Persiste uma grande disparidade entre o número de vítimas reconhecido pelo governo e o estimando por organizações de direitos humanos. Muitas pessoas tiveram que fugir do país, outras foram presas, torturadas e vivem com marcas físicas e psicológicas da violência de Estado. As vítimas não foram reconhecidas ou indenizadas. Envolvidos no massacre não enfrentaram consequências jurídicas. O massacre segue como uma ferida aberta na China.

Dois dias após o massacre, o governo chinês falou em quase 300 mortos. O embaixador do Reino Unido na época evocou 10.000 mortes e a Cruz Vermelha Chinesa, 2.700. Em geral, segundo dados hospitalares, estima-se que houve entre 400 e mais de 1.000 mortos.

Wu'er Kaixi, na época um dos líderes estudantis, vive hoje exilado em Taiwan. De passagem por Paris, ele falou à RFI:

"Tínhamos esperança, mas tudo terminou em massacre. Vivo no exílio há 30 anos, mas não perdi a esperança. Mas será extremamente difícil para a nova geração chinesa de hoje se mobilizar e ocupar a praça como fizemos, pois o governo chinês se tornou um dos regimes mais totalitários e violentos do mundo. Eu acuso o mundo e principalmente o Ocidente por ter ajudado a China a se tornar o que é. Será que o povo chinês poderá um dia protestar de novo? O Ocidente tem sua parte de culpa e deveria pressionar a China por mais democracia. Há 30 anos, a comunidade internacional trata a China como se fosse um governo responsável. Na época, acreditávamos que isso ia dar certo, mas infelizmente, o regime escolhou a pior das opções e hoje o mundo inteiro vê as consequências disso."

Protestos

As manifestações e homenagens às vítimas do massacre continuam proibidas na China Continental. Hong Kong é a única parte do país onde a data pode ser lembrada. No território autônomo chinês, que tem um sistema jurídico distinto, pelo menos uma dezena de eventos vão recordar os 30 anos do massacre. A tradicional vigília anual no Parque Vitória deve atrair 100 mil pessoas. Também estão programados debates, missas, recitais e lançamentos de livros.

A data se transformou em um grande encontro de ONGs, associações e partidos progressistas. O dia é marcado por discursos de lideranças nas ruas e ações de voluntários para coletar doações para movimentos pró-democráticos.

Autoridades reivindicam "benefícios" da repressão

A China não é o único Estado que tenta determinar à força o que faz ou não parte da história, mas o país se empenha na construção de um discurso linear, no qual não há espaço para dissonância. O vasto aparato de mídia pública chinesa evita o assunto. É raro que as autoridades discutam publicamente o ocorrido, mas isso aconteceu nesta semana. No Fórum de Segurança Diálogo de Shangri-La, realizado no último fim de semana em Singapura, o ministro chinês da Defesa, general Wei Fenghe, afirmou que foi "correta" a decisão tomada pelo governo chinês, em 1989, para lidar com a mobilização política. Para o militar, ela garantiu à China “estabilidade e desenvolvimento”.

Mercosul discute reformas internas para enfrentar concorrência europeia

Patrimônio da Unesco, Festival Naadam festeja séculos de tradição nômade na Mongólia

Campanha eleitoral começa na Argentina com Brasil e EUA reforçando apoio a Macri

Após aprovação de texto-base, deputados votam destaques que podem mudar reforma da Previdência

Para evitar gravidez precoce, projeto investe em visita de jovens jogadoras brasileiras à Holanda

Favorito, Johnson enfrenta Hunt em 1° debate na TV entre candidatos a premiê no Reino Unido

Terremotos na Califórnia reavivam medo de "Big One", tremor com consequências trágicas

ONGs aplaudem relatório da ONU sobre Direitos Humanos na Venezuela e pedem justiça

Mais de 1,4 milhão de refugiados vão precisar de reassentamento até 2020, diz agência da ONU

Central sindical argentina classifica acordo UE-Mercosul como “industricídio”

Prisão da capitã do navio "Sea-Watch 3" divide opinião pública da Itália

Com recusa de Salvini, navio humanitário Sea-Watch volta a águas internacionais

Foto de pai e filha mortos ressalta drama humano no debate sobre a imigração nos EUA

Novas sanções dos EUA ao Irã devem secar entrada de dinheiro no país

Sucesso eleitoral da extrema direita colabora com clima de terror na Alemanha

Brasil apoia candidato chinês para substituir Graziano na liderança da FAO

Michelle Bachelet se encontra com Maduro e Guaidó durante visita à Venezuela

Boris Johnson é favorito em nova votação para definir sucessor de Theresa May