rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

NASA Espaço Estação Espacial Internacional (ISS) Turismo

Publicado em • Modificado em

Nasa: Turistas vão poder visitar Estação Espacial Internacional a partir de 2020

media
Equipes comerciais da Nasa já fazem testes em uma réplica da Estação Espacial Internacional no Texas. REUTERS/Mike Blake

A Nasa anunciou, nesta sexta-feira (7), que vai autorizar, a partir do ano que vem e mediante pagamento, o uso da Estação Espacial Internacional (ISS) para turistas e empresas. Para isso, os viajantes terão que pagar US$ 35.000 por noite para ficar na base. O projeto promete ser muito lucrativo para a agência americana, que espera arrecadar fundos para financiar suas atividades.


"A Nasa abre a Estação Espacial Internacional para oportunidades comerciais", anunciou em Nova York o diretor financeiro da agência espacial americana, Jeff DeWit. De acordo com o diretor-adjunto da estação, Robyn Gatens, "a Nasa vai autorizar duas missões curtas de astronautas privados por ano".

As missões vão durar até 30 dias, afirmou a agência. Potencialmente, uma equipe com pelo menos 12 “astronautas privados” poderá visitar a estação a cada ano. Eles serão transportados pelas duas companhias que estão desenvolvendo veículos para a Nasa: SpaceX, com a cápsula Crew Dragon, e a Boeing, que constrói a Starliner.

Estas empresas vão escolher os turistas e cobrar a viagem, que será a parte mais cara da aventura: cerca de US$ 58 milhões. Os turistas pagarão a agência espacial pela estada em órbita, comida, água e todo o sistema de suporte vital a bordo. "Custará cerca de US$ 35.000 por noite e por astronauta", completou DeWit.

A Estação Espacial Internacional não é exclusiva da Nasa. O projeto foi iniciado junto com a Rússia em 1998, e outros países participam e também enviam astronautas. Mas os Estados Unidos controlam a maioria dos módulos.

Estes turistas espaciais não serão os primeiros. O empresário americano Dennis Tito esteve na estação em 2001, após pagar cerca de 20 milhões de dólares à Rússia.

(Com informações da AFP)