rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Estados Unidos Irã

Publicado em • Modificado em

Em resposta a Trump, França diz que não precisa da autorização dos EUA para falar do Irã

media
O ministro francês de Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, durante encontro do G7 em Dinard, na França, 06/04/2019 REUTERS/Stephane Mahe/File Photo

A França "não precisa de nenhuma autorização" para se pronunciar sobre o Irã, declarou nesta sexta-feira (9) o ministro francês de Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, ao reagir a uma crítica feita na véspera pelo presidente americano Donald Trump.


"Sobre o Irã, a França se pronuncia de forma totalmente soberana. Nós estamos fortemente comprometidos com a paz e a segurança na região, buscando conquistar uma desescalada nas tensões e não precisamos de nenhuma autorização para fazê-lo", afirmou Le Drian em um comunicado.

Trump acusou, na quinta-feira (8), o presidente francês, Emmanuel Macron, de se intrometer na política dos Estados Unidos. "Sei que Emmanuel Macron tem boas intenções, assim como os demais, mas ninguém pode falar pelos Estados Unidos salvo os Estados Unidos", afirmou Trump no Twitter.

Para Trump, França está atrapalhando

Washington acredita que Teerã "quer falar desesperadamente com os Estados Unidos, mas recebe mensagens confusas de todos os que pretendem nos representar, incluindo o presidente francês, Macron", acrescentou.

Enquanto a pressão diplomática, econômica e militar sobre Teerã aumenta, Trump pede o diálogo. Mas até agora o Irã reiterou que não negociará com Washington sob a pressão de sanções econômicas. "O agravamento das tensões exige iniciativas políticas para retornar às condições de diálogo. Foi isso que o presidente Macron fez com total transparência com nossos parceiros (...). Ele evidentemente mantém as autoridades americanas informadas", disse Le Drian.

Macron, que defende o acordo nuclear de 2015, do qual os Estados Unidos se retiraram, reúne-se regularmente com seu colega iraniano, Hassan Rohani, e não esconde sua esperança de mediar a atual crise.