rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Hong Kong Protestos Prisão Manifestação Democracia

Publicado em • Modificado em

Dois conhecidos líderes pró-democracia são presos em Hong Kong

media
Os activistas pró-democracia Joshua Wong e Agnes Chow chegam ao Tribunal após terem sido detidos por suspeita de terem organizado protestos ilegais, em Hong Kong. REUTERS/Tyrone Siu

Dois dos principais agitadores do movimento pró-democracia em Hong Kong, Joshua Wong e Agnes Chow, ambos de 22 anos, foram presos nesta sexta-feira (30). A polícia também proibiu a realização de uma manifestação que estava prevista para o sábado (31), informou o partido de Wong.


"Nosso secretário-geral @joshuawongcf foi preso esta manhã por volta das 7h30", postou no Twitter o partido Demosisto. "Ele foi empurrado à força para dentro de uma van particular na rua, em plena luz do dia. Nossos advogados estão trabalhando no caso agora", acrescentou. Em pouco mais de dois meses de movimento, pelo menos 850 ativistas já foram detidos, a maioria durante manifestações.

Hong Kong, região semiautônoma do sul da China e antiga colônia britânica, vive sua maior crise política em mais de 20 anos, com protestos quase diários. As manifestações, que começaram contra o projeto de lei que autoriza extradições para a China continental, logo se tornaram um movimento pró-democracia.

Proibição de protesto “de aniversário”

Na quinta-feira (29), a polícia proibiu um novo protesto pró-democracia marcado para o sábado, alegando razões de segurança e eventuais atos de violência. A manifestação foi convocada pela Frente Civil dos Direitos Humanos (FCDH), uma organização pacífica responsável pelas maiores concentrações dos últimos meses na ex-colônia britânica, sobretudo a de 18 de agosto, que reuniu 1,7 milhão de pessoas, segundo os organizadores, e que ocorreu sem incidentes. As consequências da proibição são imprevisíveis – ela pode incitar a ala mais radical dos manifestantes a ir às ruas, e novos confrontos com a polícia podem se repetir.

A manifestação de sábado marcaria o quinto aniversário da recusa da China a aceitar reformas políticas em Hong Kong, o que desencadeou o "movimento dos guarda-chuvas", com protestos que ocuparam as ruas da megalópole durante 79 dias, sem nenhuma concessão por parte de Pequim.

Joshua Wong é conhecido desde então, quando se tornou um dos principais nomes da oposição. Desde 2014, o ativista foi preso em pelo menos três ocasiões.

Independentista preso antes de embarcar

Na quinta-feira (29), o site Hong Kong Free noticiou a prisão do militante independentista Andy Chan, pouco antes de ele embarcar em um voo para o Japão. Chan fundou o Partido Nacionalista, que foi proibido pelas autoridades de Pequim em 2018. A polícia afirma que ele é suspeito de participar de uma confusão com os policiais polícia, durante a qual teria agredido um agente.

Com informações AFP