rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Acordo Irã Produção Urânio Nuclear

Publicado em • Modificado em

Sem cumprir acordo sobre nuclear, Irã acelera produção de urânio enriquecido

media
O presidente iraniano Hassan Rohani ouve Ali Akbar Salehi, chefe da organização iraniana de Energia Atômica, no dia 9 de abril de 2019. AFP PHOTO / HO / IRANIAN PRESIDENCY

O vice-presidente do Irã e chefe da Agência Iraniana de Energia Atômica (AIEA), Ali Akbar Saléhi, disse nesta segunda-feira (4) que o país acelerou seu ritmo de produção, passando para 5 kg diários de urânio enriquecido a baixo teor.


O número representa mais de dez vezes o nível de produção no início de setembro. O Irã está agora enriquecendo urânio com 235% do isótopo 235, um nível que permanece muito abaixo do limite exigido para uso militar (90%). De acordo com imagens divulgadas nesta segunda-feira pela televisão estatal, o chefe da AIEA colocou em funcionamento em Natanz 30 novas centrífugas IR-6.

O chefe da Agência Iraniana de Energia Atômica também disse que o Irã conseguiu em dois meses desenvolver novos modelos avançados de centrífugas. Um desses novos protótipos agora é testado com urânio gasoso, explicou Saléhi, acrescentando que o Irã não mais utiliza centrífugas de primeira geração (IR-1), o único modelo autorizado pelo Acordo de Viena, que enquadra o programa nuclear de Teerã.

Saléhi fez o comunicado durante uma visita de jornalistas iranianos à instalação nuclear de Natanz, no centro do país. O Irã deve anunciar nesta terça-feira (5) uma nova redução do compromisso assumido no acordo nuclear de Viena, assinado em 2015 com o Grupo 5 + 1 (China, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Rússia e Alemanha). Na época, Teerã concordou em reduzir drasticamente suas atividades nucleares e restringi-las à utilização civil. Em troca, os países aceitaram suspender algumas sanções internacionais que prejudicam a economia iraniana.

Retirada dos EUA do acordo gerou tensão

Em 2018, os Estados Unidos se retiraram unilateralmente do acordo e reestabeleceram medidas contra o país, o que levou o Irã a rever alguns pontos do documento. Um deles foi o enriquecimento de urânio a uma taxa superior ao limite de 3,67%. O país também ultrapassou o limite de 300 quilogramas imposto a seus estoques de urânio menos enriquecido. O anúncio do Irã nesta segunda-feira coincide com a comemoração, nesta segunda-feira, do 40º aniversário da tomada de reféns na embaixada dos Estados Unidos em Teerã, um evento que fundou a República Islâmica e que continua envenenando as relações entre os dois países.