rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-Mundo
rss itunes

Instituto Camões aposta em parceria com Brasil para promoção da língua portuguesa

O embaixador Luís Faro Ramos, presidente do Conselho Diretivo do Instituto Camões, fala sobre os acordos de cooperação entre o Brasil e Portugal para a promoção da língua portuguesa no mundo.

Adriana Niemeyer, correspondente da RFI Brasil em Lisboa

O ano de 2019 será um ano importante para a promoção da Língua Portuguesa no mundo. Vários acordos de cooperação entre Portugal e Brasil estão dando bons resultados e ótimas perspectivas para o futuro próximo. Para falar desta cooperação o embaixador Luís Faro Ramos, presidente do conselho diretivo do Camões (Instituto para Cooperação e da Língua) recebeu a RFI na sede da instituição, em Lisboa.

RFI - Para o ano 2019 o que pode se esperar na questão da língua e na cultura com o Brasil?

Luís Faro Ramos - O Instituto Camões tem como uma de suas linhas prioritárias a promoção da língua e cultura portuguesas e busca obter sinergias com os outros países que falam o idioma. Nesse contexto, o Brasil assume um lugar importantíssimo, tanto pela dimensão que tem, como em números de falantes do português, mas também pela ação da cultura que o Brasil tem espalhado pelo mundo, principalmente na América do Sul e nos países latino-americanos. Mas, também, em outras latitudes do mundo. Posso citar três ou quatro projetos concretos de cooperação que estão sendo desenvolvidos pelos dois países, com destaque para a cooperação para o ensino do português na escola das Nações Unidas em Nova Iork, que foi assinado no gabinete do secretário geral da Organização. Um protocolo entre as Missões Permanentes de Portugal e Brasil para ensinar a nossa língua para mais de mil alunos de várias partes do mundo. Estamos também trabalhando com o Brasil para ensinar o português no Cazaquistão. O que significa que a nossa estratégia de promoção da língua está se alastrando. Já não é mais só a Europa, América Latina ou Ásia, mas também a Ásia Central.

RFI - Pode citar outros exemplos?

LFR - Um outro exemplo muito importante é colaboração do Instituto Camões na reconstrução do Museu da Língua Portuguesa em São Paulo. Assinamos um protocolo com a Fundação Roberto Marinho para ajudar a reabilitação do museu. Também será utilizado o arquivo da Rádio Televisão Portuguesa (RTP) para completar o acervo do museu que deve ser inaugurado no fim do ano. Destaco também a entrada do nosso Instituto na estrutura acionista da Associação Luís de Camões, que é composta pelo Real Gabinete de Leitura, o Liceu Literário Português e o Instituto D.Pedro V, que estão relacionados com os portugueses que vivem no Brasil e que através destas instituições promovem suas ações na área social e cultural. Neste ano vamos desenvolver um programa de ação muito rico que vai ter como foco a promoção das relações culturais e de língua entre Portugal e o Brasil. E eu penso que independentemente das autoridades que governam um e outro país existe uma vontade de colaborar. Essa vontade vai se traduzir em ações ao longo do ano.

O Instituto Camões pretende que o português seja ensinado como segunda língua nas escolas de 30 a 40 países. Como vai ser esse trabalho?

Já estamos trabalhando e já temos o português ensinado no nível secundário de 23 países. Tivemos a Turquia este ano, Venezuela, Argélia e esperamos ter também o português como matéria curricular e para isso contamos muito com a colaboração do Brasil. A meta dos 40 países é uma meta ambiciosa, mas realista. As manifestações de interesse que temos recebido são encorajadoras. Penso que o espaço da ibero-americana é fundamental para que o português seja ensinado nos países de língua espanhola e se Portugal e Brasil trabalharem juntos os resultados aparecerão mais depressa.

Outros focos de interesse são Ásia e África?

Além da Ásia Central, obviamente não podemos esquecer o coração da Ásia, de um país como a China, onde o ensino do português está crescendo de uma maneira impressionante. Temos um pólo importante em Macau que é o Instituto Português do Oriente que é um pólo irradiador em todo o continente. Na África temos cooperação muito forte de língua portuguesa na área de educação e formação de professores. Também temos uma ação robusta na África Ocidental da Costa do Marfim ao Senegal, Namíbia, Tunísia e Argélia. Portanto está basicamente cobrindo todas as regiões do nosso planeta

Quais serão os desafios da chamada “cooperação triangular” para 2019?

A cooperação triangular portuguesa é uma área relativamente nova, mas explora uma vertente muito virtuosa e com muito potencial, que é a de unir dois países num projeto para ajudar um terceiro beneficiário, que geralmente é africano ou da América do Sul. E um caso concreto que posso exemplificar é a cooperação de Portugal com o Brasil através da agência ABC sobre um projeto que está sendo realizado em Moçambique, na Gorongoza, de plantação de café. Temos acordos de cooperação triangular assinados também com a Argentina, Uruguai e outros. Aliá, Portugal é reconhecido pelas organizações internacionais, como a OCDE, como um país exemplar em termos de promoção de cooperação triangular. Essa modalidade terá tendência para se desenvolver no futuro.

Voltando à questão da língua. O que poderia ser feito no futuro para a expansão da mesma e em que outros países da CPLP poderiam ajudar?

É uma questão muito pertinente. Penso que a CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) vai entrar num circulo virtuoso, com a entrada do novo secretário-geral na Comunidade, que é um português. Em breve começaremos um trabalho conjunto porque Portugal não vai a nenhum lugar sozinho, assim como o Brasil. Juntos iremos mais longe. O Instituto Internacional da Língua Portuguesa deverá ter uma dinâmica que corresponda com aquilo que seja um objetivo político claro da CPLP, que é a promoção do português no mundo. As condições estão criadas para isso e em breve começaremos a ver o fruto do nosso trabalho

Brasileira que trabalhou com família real britânica conta bastidores e gafes com a rainha

Único terreiro de candomblé na Alemanha só pode fazer seis rituais por ano

Artista brasileiro expõe na Itália obras de seu ateliê com portadores de deficiência

Brasileiro assume direção científica do maior jardim botânico do mundo, em Londres

Bailarina brasileira cria plataforma de empoderamento feminino em Nova York

Livro e exposição em Berlim contam história de judeu que se refugiou no Brasil fugindo do nazismo

Brasileiro cria projeto de moradia alternativo e divide casa com imigrantes africanos em Roma

Primeiro diretor negro de teatro público em Berlim, brasileiro propõe perspectiva de “pós-migração”

Brasileira propõe serviço de fotografia profissional para turistas do mundo todo

Associação de mulheres brasileiras luta contra ação de despejo da prefeita de Roma

Leila Daianis fala sobre seu trabalho de defesa das transexuais brasileiras em Roma